Site da DGS falha com aumento da procura por informação sobre o coronavírus

Os acessos ao site da Direção-Geral da Saúde estão intermitentes em plena epidemia do coronavírus. A entidade confirma o elevado fluxo de tráfego e diz que está a tentar "minimizar" o problema.

O site da Direção-Geral da Saúde (DGS) está a registar falhas de acesso, em plena epidemia do coronavírus e no dia em que a entidade recomendou às empresas portuguesas que se prepararem para o alastrar do surto na Europa. Ao ECO, a entidade confirma a informação e diz estar a tentar “minimizar” o problema.

Pelas 11h50 desta quinta-feira, o acesso à página da DGS estava intermitente, apresentando grande lentidão ou uma mensagem de erro no browser. São indícios de que o elevado fluxo de tráfego está a gerar complicações na plataforma informática desta entidade pública, perante o súbito interesse da população em consultar mais informação sobre o vírus.

Contactada, a DGS confirmou a existência de um elevado fluxo de tráfego: “É verdade. Há muito tráfego em cima do site. Estamos a tentar minimizar o problema”, disse fonte oficial.

Mensagem de erro do Google Chrome após tentativa de acesso ao site da DGS, esta quinta-feira de manhã.

As falhas no acesso foram verificada pelo ECO em vários computadores, smartphones e em diferentes ligações à internet, bem como através da ferramenta “DownForEveryoneOrJustMe”, um aplicativo que permite verificar se um site está offline para toda a gente ou só para quem está a tentar aceder. “Não é só consigo. Dgs.pt está offline, concluiu o aplicativo, referindo-se ao site da DGS.

O site da DGS está “offline”, concluiu um aplicativo independente que permite verificar a acessibilidade dos sites.

Estes problemas no site da DGS registam-se num dia marcado pelo alastrar da epidemia do coronavírus fora da China, havendo casos confirmados em 46 países, para além do território chinês. A principal preocupação é a região norte de Itália, onde se localizam mais de 450 casos confirmados de infeção.

Assim, esta quinta-feira, perante a possibilidade de o vírus chegar a território português, a DGS emitiu uma série de recomendações às empresas, para que se preparem para essa eventualidade. Entre elas, a DGS considera que as empresas portuguesas devem “ponderar o reforço das infraestruturas tecnológicas de comunicação e informação”, de forma a viabilizar o trabalho remoto e evitar que os trabalhadores se desloquem às instalações.

Esta é a segunda vez esta semana que uma plataforma pública na internet apresenta dificuldades de acesso perante um anormal fluxo de acessos. Aconteceu na terça-feira com o Portal das Finanças, o último dia oficial para validar faturas para o IRS, o que forçou o Governo a dar mais um dia para os contribuintes poderem validar as faturas e aproveitarem as deduções ao imposto.

(Notícia atualizada às 12h52 com confirmação da DGS)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Site da DGS falha com aumento da procura por informação sobre o coronavírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião