Um Ford para a família com ares de pocket rocket

Apesar de parecer um pocket rocket, esta é uma versão ST Line. Não é um ST ou, melhor ainda, um RS. Debaixo do capot está um 1.0 EcoBoost. Tem 125 cv, mas são muito generosos.

Quem não gosta de um look desportivo num automóvel? Cai bem na vista. Não é, por isso, de estranhar que cada vez mais marcas apostem em modelos com linhas arrojadas. Arrojo é o mínimo que se pode dizer do que a Ford utilizou na mais recente geração do seu familiar compacto. Mas este não é um Focus “normal”. Esta é a versão ST Line. É para a família, mas tem ares de pocket rocket.

O Focus dá nas vistas logo no momento em que nos deparamos com ele. Cumprimenta-nos com uma grelha generosa, com uns favos alargados para deixar respirar o motor. Os faróis de nevoeiro com rebordo escurecido ajudam a rasgar um para-choques volumoso que cola bem com uma carroçaria toda ela muito encorpada.

Há muito músculo nesta versão, especialmente visto de perfil. As cavas das rodas dão enormes abraços as jantes de 17 polegadas escurecidas, mas o ex-libris acaba por ser a traseira com um difusor de grandes dimensões que alberga as saídas de escape.

Racing por fora e por dentro

Todo o conjunto “grita” que estamos perante um modelo mais desportivo. Então se a escolha recair (e bem) no Desert Island Blue, ainda mais. O Focus ST Line convence por fora, mas e por dentro? É, de facto, um familiar compacto, com espaço quanto baste tanto para a bagagem (a mala tem uma capacidade de 363 litros) como para os ocupantes. Mas o look desportivo está lá.

Bancos com mistura de pele e tecido, com o detalhe dos presponto em vermelho, volante com base cortada… são apenas alguns dos detalhes que fazem a diferença num habitaculo em que a fabricante norte-americana não esqueceu a tecnologia, cada vez mais decisiva na altura de escolher um automóvel novo. É aqui o destaque vai para o SYNC 3, Com um ecrã de 8 polegadas que ganha ainda mais vida quando ligado ao telemóvel, seja Apple ou Android.

Um motor que surpreende

Melhor que o som do sistema de infoentretenimento, só mesmo o do motor. Apesar de parecer um pocket rocket, esta é uma versão ST Line. Não é um ST ou, melhor ainda, um RS. Então, que motor está debaixo do capot? Há mais, mas este surpreende. O 1.0 EcoBoost é “pequenino”, mas é bastante divertido.

Este tri-cilíndrico vem carregado com 125 cv cheios de alma. Com um binário elevado disponível logo nas rotações mais baixas, da uma resposta “agressiva” ao mínimo toque no pedal direito. Traz de Serie um ronco simpático, mas nada exagerado. Responde com vigor, sendo a caixa manual de seis velocidades um excelente aliado.

A aceleração ou mesmo uma recuperação fazem-se sem grande custo, graças ao motor mas também ao peso deste hatchback que emagreceu com a nova plataforma da Ford. Em curva, a suspensão rebaixada em 10 milímetros face a versão “normal” ajuda bastante, sem comprometer o que se pede a um modelo desta gama: conforto.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Um Ford para a família com ares de pocket rocket

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião