Um Ford para a família com ares de pocket rocket

Apesar de parecer um pocket rocket, esta é uma versão ST Line. Não é um ST ou, melhor ainda, um RS. Debaixo do capot está um 1.0 EcoBoost. Tem 125 cv, mas são muito generosos.

Quem não gosta de um look desportivo num automóvel? Cai bem na vista. Não é, por isso, de estranhar que cada vez mais marcas apostem em modelos com linhas arrojadas. Arrojo é o mínimo que se pode dizer do que a Ford utilizou na mais recente geração do seu familiar compacto. Mas este não é um Focus “normal”. Esta é a versão ST Line. É para a família, mas tem ares de pocket rocket.

O Focus dá nas vistas logo no momento em que nos deparamos com ele. Cumprimenta-nos com uma grelha generosa, com uns favos alargados para deixar respirar o motor. Os faróis de nevoeiro com rebordo escurecido ajudam a rasgar um para-choques volumoso que cola bem com uma carroçaria toda ela muito encorpada.

Há muito músculo nesta versão, especialmente visto de perfil. As cavas das rodas dão enormes abraços as jantes de 17 polegadas escurecidas, mas o ex-libris acaba por ser a traseira com um difusor de grandes dimensões que alberga as saídas de escape.

Racing por fora e por dentro

Todo o conjunto “grita” que estamos perante um modelo mais desportivo. Então se a escolha recair (e bem) no Desert Island Blue, ainda mais. O Focus ST Line convence por fora, mas e por dentro? É, de facto, um familiar compacto, com espaço quanto baste tanto para a bagagem (a mala tem uma capacidade de 363 litros) como para os ocupantes. Mas o look desportivo está lá.

Bancos com mistura de pele e tecido, com o detalhe dos presponto em vermelho, volante com base cortada… são apenas alguns dos detalhes que fazem a diferença num habitaculo em que a fabricante norte-americana não esqueceu a tecnologia, cada vez mais decisiva na altura de escolher um automóvel novo. É aqui o destaque vai para o SYNC 3, Com um ecrã de 8 polegadas que ganha ainda mais vida quando ligado ao telemóvel, seja Apple ou Android.

Um motor que surpreende

Melhor que o som do sistema de infoentretenimento, só mesmo o do motor. Apesar de parecer um pocket rocket, esta é uma versão ST Line. Não é um ST ou, melhor ainda, um RS. Então, que motor está debaixo do capot? Há mais, mas este surpreende. O 1.0 EcoBoost é “pequenino”, mas é bastante divertido.

Este tri-cilíndrico vem carregado com 125 cv cheios de alma. Com um binário elevado disponível logo nas rotações mais baixas, da uma resposta “agressiva” ao mínimo toque no pedal direito. Traz de Serie um ronco simpático, mas nada exagerado. Responde com vigor, sendo a caixa manual de seis velocidades um excelente aliado.

A aceleração ou mesmo uma recuperação fazem-se sem grande custo, graças ao motor mas também ao peso deste hatchback que emagreceu com a nova plataforma da Ford. Em curva, a suspensão rebaixada em 10 milímetros face a versão “normal” ajuda bastante, sem comprometer o que se pede a um modelo desta gama: conforto.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Um Ford para a família com ares de pocket rocket

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião