Este é o glossário para perceber as negociações entre UE e Reino Unido para o Brexit

  • Lusa e ECO
  • 2 Março 2020

A União Europeia (UE) e o Reino Unido começam esta segunda-feira as negociações sobre a parceria futura e, em cima da mesa, estão vários termos técnicos e políticos importantes.

A União Europeia (UE) e o Reino Unido começam esta segunda-feira as negociações sobre a parceria futura, dando início à discussão de alguns termos técnicos e políticos que vão ser importantes no desenvolvimento do processo. Em cima da mesa estão vários termos em inglês que fazem parte do glossário essencial para as negociações pós-Brexit — nove meses antes do final do período de transição — e estes são os quatro mais importantes.

  • Level Playing-Field

Traduzido por Condições de Concorrência Equitativas, é um dos termos mais contenciosos das negociações. A UE faz depender um acordo de comércio livre sem tarifas aduaneiras nem quotas de “garantias suficientes de Condições de Concorrência Equitativas”. Trata-se de um conjunto de regras e normas comuns que impedem que as empresas de um país subvertam os rivais e ganhem uma vantagem competitiva sobre empresas que operam noutros países.

Bruxelas pretende salvaguardar o mercado único e evitar que as companhias da UE se encontrem numa eventual posição de desvantagem no mercado por eventuais distorções criadas por uma potencial desregulamentação de determinadas áreas económicas no Reino Unido. A UE quer que o Governo britânico ofereça garantias de que não vai desrespeitar as regras europeias em termos de legislação fiscal, laboral, ambiental ou de auxílios estatais.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, reiterou várias vezes que não está a planear “qualquer tipo de dumping”, mas no Partido Conservador existe uma corrente que defende a liberdade de o país poder divergir para beneficiar do novo estatuto, tendo feito surgir a ideia de o Reino Unido se tornar numa “Singapura” à porta da UE.

  • Dynamic Alignment

Traduzido por Alinhamento Dinâmico, este termo foi surgindo ao longo do processo do Brexit e implicaria que o Reino Unido atualizasse os direitos e garantias previstas na legislação relativa aos trabalhadores ou outras áreas, para que acompanhassem a evolução social e política dos vizinhos europeus.

Na resolução que aprovou em fevereiro sobre as negociações, o Parlamento Europeu defende um “alinhamento dinâmico” como condição a um nível de acesso sem contingentes e isento de direitos aduaneiros ao mercado único. Mas o termo não foi incluído no mandato do Conselho Europeu dado à equipa de Michel Barnier.

Na posição oficial sobre as negociações, o Governo britânico rejeita claramente o alinhamento com normas europeias e reivindica um “relacionamento baseado na cooperação amigável entre iguais soberanos” que projeta a autonomia jurídica do país. “Aconteça o que acontecer, o Governo não negociará qualquer acordo em que o Reino Unido não tenha o controlo das suas próprias leis e vida política. Isso significa que não concordaremos com nenhuma obrigação para que as nossas leis sejam alinhadas com as da UE ou que as instituições da UE, incluindo o Tribunal [Europeu] de Justiça, tenham jurisdição no Reino Unido”, vincou o Governo britânico.

  • Canada Style Deal

No início de fevereiro, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, declarou a preferência por um “acordo de comércio livre abrangente, semelhante ao do Canadá”. Designado por Acordo Económico e Comercial Global (CETA), é descrito como “um dos acordos comerciais mais ambiciosos e progressivos que a UE já celebrou”. As negociações começaram em 2009 e entrou provisoriamente em vigor em 2017, apesar de ainda não ter sido ratificado por todos os 27.

O Acordo eliminou a maioria das tarifas aduaneiras sobre os bens comercializados entre a UE e o Canadá, mas manteve as tarifas em alguns produtos como carne ou queijo. Também aliviou os níveis, mas manteve quotas, ou seja, o volume que um produto pode ser exportado sem tarifas.

O Acordo não removeu totalmente os controlos nas fronteiras, mas a cooperação em termos de normas permite que as certificações de segurança e qualidade a um produto ou equipamento fabricado no Canadá sejam reconhecidas na UE, o que é recíproco. Na área dos serviços, foram abertos alguns setores, nomeadamente em termos de concursos públicos, e reconhecidas qualificações profissionais.

  • Australia style deal

Na ausência de um entendimento com a UE, Boris Johnson aludiu à possibilidade de o Reino Unido adotar o modelo australiano. Esta hipótese foi interpretada como uma ameaça com a ausência de acordo, pois a Austrália não possui um acordo de comércio com a UE. Enquanto decorrem negociações, as duas partes seguem as regras da Organização Mundial do Comércio, ou seja, com uma série de tarifas aduaneiras e limites ao volume de produtos exportados.

Um protocolo assinado em 2008 eliminou algumas barreiras nas relações económicas entre a Austrália e a UE, mas a aplicação é mais limitada do que o acesso que o Reino Unido atualmente beneficia do mercado único europeu. A referência à Austrália é um subterfúgio para o Governo de Boris Johnson evitar a referência a “no deal”, tal como deixou de usar a expressão Brexit.

Mas a probabilidade de rutura é real. Londres fez saber que, se não observar progressos até junho, “o Governo vai ter de decidir se a atenção do Reino Unido deve afastar-se das negociações e concentrar-se apenas em continuar os preparativos internos”.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Este é o glossário para perceber as negociações entre UE e Reino Unido para o Brexit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião