Marrocos com taxa de 1% para seguro de catástrofes

  • ECO Seguros
  • 3 Março 2020

O mecanismo visa riscos de tsunamis, sismos e inundações e terá a participação de resseguradoras como a Scor, Swiss Re e Hannover Re, supondo uma cobertura anual de até 300 milhões de dólares.

O novo fundo, que além do terrorismo, pretende garantir a cobertura para três categorias de desastres naturais, como terramotos, tsunamis e inundações, tem o patrocínio do governo do Reino de Marrocos.

As negociações envolvem cinco resseguradoras globais, sendo que no quadro do novo instrumento financeiro, as responsabilidades locais não excederão 50 milhões de dólares, ficando os restantes 250 milhões a cargo das resseguradoras internacionais que subscrevam o protocolo. Scor, Swiss Re e Hannover Re estão entre as subscritoras.

O financiamento local do fundo já está a ser municiado com recurso a taxas sobre apólices de seguro emitidas no mercado marroquino, adianta a imprensa local citando Bachir Baddou, diretor-geral da federação de seguros e resseguro (FEMSAR).

O estabelecimento do novo mecanismo para catástrofes naturais foi objeto de um decreto publicado ainda em 2019. No âmbito dessa legislação, o setor segurador já iniciou, em setembro do ano passado, a cobrança de 1% sobre o valor de prémios e outras contribuições previstas nos contratos de seguro, com exceção das apólices do ramo Vida.

O novo plano para riscos de catástrofes reserva uma parte para segurados com coberturas de catástrofes naturais e outra que beneficiará sinistrados que não tenham contratado qualquer seguro para esses riscos.

De acordo com a imprensa local, Marrocos figura entre os países do Magrebe com maior vulnerabilidade a desastres naturais, registando perdas anuais estimadas em 800 milhões de dólares, ou 0,8% do produto nacional bruto.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marrocos com taxa de 1% para seguro de catástrofes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião