Justiça irá congelar dinheiro da venda do EuroBic, admite Carlos Costa

Carlos Costa diz que arresto dos bens de Isabel dos Santos é "matéria da autoridades judiciais", que deverão querer "preservar o produto" da venda do EuroBic.

Isabel dos Santos está a vender a sua posição no EuroBic aos espanhóis do Abanca. Perante o receio de que o dinheiro da venda seja transferido para a empresária angolana, Carlos Costa, governador do Banco de Portugal, adiantou que isso é uma “matéria das autoridades judiciais”. Mas também admitiu que a Justiça vai querer “salvaguardar o produto” do negócio.

“As autoridades vão querer preservar o valor associado a essas participações. Não significa bloquear as transações, mas salvaguardar o produto das transações”, disse Carlos Costa esta quarta-feira.Não nos cabe a nós tomar posição”, afirmou ainda. O governador foi ouvido na comissão de Orçamento e Finanças por causa do Luanda Leaks.

“O produto da venda caberá às autoridades judiciais saber o que fazer”, referiu Carlos Costa.

O governador explicou depois que “o pagamento há-de ser feito do território da União Europeia”, isto tentando tranquilizar o deputado comunista Duarte Alves que o havia questionado sobre o facto de Isabel dos Santos ter contas em offshore e onde é mais difícil controlar as transferências. “O destino não é o que conta, é o ponto de origem, está sob controlo de autoridades judiciais”, precisou o governador.

Isabel dos Santos colocou os seus 42,5% no EuroBic à venda na sequência da polémica em torno do caso Luanda Leaks. No mês passado, o Abanca chegou a um acordo para adquirir pelo menos 95% do capital do banco. Está em curso uma análise aprofundada ao banco (due diligence) que ficará concluída no início de abril. Só depois dessa análise é que o Abanca e os acionistas do EuroBic formalizarão o acordo.

Sobre o comprador, Carlos Costa adiantou que se trata de uma “entidade credível e com interesse”, deixando antever que o Abanca não terá problemas de autorização do Banco Central Europeu e do Banco de Portugal para concluir a compra.

(Notícia atualizada às 12h30)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Justiça irá congelar dinheiro da venda do EuroBic, admite Carlos Costa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião