Europa cai 7% com queda do petróleo. Stoxx 600 entra em bear market

A queda abrupta dos preços do petróleo está a afundar os índices europeus. Principais praças do Velho Continente registam quedas que chegam a 7,5%.

Com o petróleo a afundar nos mercados internacionais, as bolsas estão sob forte pressão. Depois de desvalorizações acentuadas nas praças asiáticas, o arranque da negociação no Velho Continente está a ser marcado por quedas expressivas. Lisboa perde quase 5%, mas há quedas de mais de 7% no resto da Europa, com o Stoxx 600 a entrar em bear market.

Depois do falhanço das negociações da OPEP no final da semana passada, a Arábia Saudita veio sinalizar um corte agressivo nos preços de venda da matéria-prima. Isto ao mesmo tempo que anunciou um aumento de produção com o objetivo de inundar o mercado com crude, levando o Brent a perder mais de 25% para 33,40 dólares.

Esta forte queda das cotações do petróleo, a maior desde a Guerra do Golfo, em 1991, está a pesar nos mercados acionistas, já de si pressionados pelos receios em torno de uma recessão económica em resultado do coronavírus.

Depois de fortes quedas nas últimas semanas, as praças europeias voltam a ser fortemente penalizadas, registando-se desvalorizações acentuadas na generalidade dos índices do Velho Continente. O PSI-20 cai 4% para 4.499 pontos, enquanto em Espanha, o IBEX-35 regista uma queda de 7%. O DAX, da Alemanha, recua 7,5%.

O Stoxx 600 está a perder mais de 7%, uma queda que leva o índice de referência da Europa a entrar em bear market. Já perde mais de 20% desde o último máximo.

Lisboa segue fortes quedas da Europa

Praticamente todas as cotadas estão perder valor numa sessão marcada pela fuga ao risco. As empresas do setor petrolífero são as mais castigadas pelos investidores, com a BP a ceder 27%, a Shell a cair 19%, enquanto a Tullow Oil e a Premier Oil afundam 57% e 84%, respetivamente.

Os investidores estão a procurar refúgio em ativos como ouro, mas mesmo o metal precioso apresenta uma valorização pouco expressiva. Está a ganhar 0,25% para cotar nos 1.678,18 dólares por onça.

(Notícia atualizada às 8h24 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Europa cai 7% com queda do petróleo. Stoxx 600 entra em bear market

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião