Depois do Novo Banco, também o BBVA isenta clientes nas transferências online

O banco espanhol vai deixar de cobrar pelas transferências online, bem como lançar uma linha de crédito de 10 mil milhões de euros para apoiar empresas em dificuldade.

O BBVA juntou-se à lista de bancos que estão reduzir a cobrança de comissões aos clientes e avançar com linhas de crédito para apoio às empresas afetadas pela crise do coronavírus. O banco espanhol vai deixar de cobrar pelas transferências online feitas no mercado português, bem como lançar uma linha de crédito de 10 mil milhões de euros para apoiar empresas em dificuldade.

“O BBVA em Portugal apela ao uso de canais digitais e não vai cobrar comissões a partir de 17 de março, e enquanto vivermos este cenário pandémico, em todas as transferências realizadas através de canais digitais, quer para particulares quer para empresas”, diz a instituição financeira espanhola em comunicado.

O banco diz ainda que no âmbito do apoio à prevenção da transmissão do novo coronavírus, mantém-se em “serviços mínimos”, com os balcões a funcionarem “à porta fechada” e que “tem vindo a promover ativamente a utilização dos canais digitais junto dos seus clientes”.

Neste sentido, diz que isenta, por tempo indeterminado, a realização de transferências e ordenados, serviços essenciais para particulares e empresas.

Também o Novo Banco tinha anunciado no final da semana passada que um conjunto de transações essenciais aos clientes através dos canais digitais irão, temporariamente, ficar isentas de comissões naquela instituição: desde as transferências interbancárias, pagamentos de serviços, cash-advance e transferências MB Way, até às isenções da primeira anuidade nos novos cartões de débito e pré-pago ou substituições.

Para as empresas em específico, o BBVA diz que lançou ainda uma linha de crédito de 10.000 milhões euros para as ajudar a “gerir o impacto financeiro que a atual pandemia do Covid-19 está a provocar na sua tesouraria”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois do Novo Banco, também o BBVA isenta clientes nas transferências online

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião