Hospital do SAMS confirma doentes e funcionários infetados com coronavírus

  • Lusa
  • 16 Março 2020

O Sindicato Independente dos Médicos já tinha apontado a existência de cinco casos no Hospital do SAMS e, agora, a instituição vem confirmar a existência de casos, mas sem apontar números.

Doentes e profissionais de saúde do Hospital do SAMS foram infetados com o novo coronavírus, anunciou esta segunda-feira a instituição, garantindo que foram adotadas todas as medidas para minimizar a propagação do vírus.

A direção clínica do SAMS reuniu-se no domingo com as autoridades de saúde e foi feita uma avaliação da situação, tendo sido adotadas todas as previstas no plano de contingência, de acordo com um comunicado emitido pela instituição.

“O conselho de gerência e a comissão executiva dos SAMS solicitam a todos os beneficiários e utentes dos SAMS a maior compreensão para o momento que o país e o mundo atravessam”, lê-se no documento, em que é feito um apelo para a “máxima colaboração para o cumprimento das orientações estabelecidas pelas autoridades competentes e aquelas que os SAMS têm divulgado junto dos seus beneficiários e utentes”.

A Lusa contactou o SAMS para tentar saber o número de casos, mas a entidade remeteu a contabilização das situações para as autoridades de saúde. “Todos os casos são comunicados à autoridade de saúde responsável, por forma a centralizar a informação nos serviços”, disse uma fonte, acrescentando que estão a ser tomadas todas as medidas possíveis para informar as pessoas e conter a propagação do vírus.

Este domingo, o presidente do Sindicato Independente dos Médicos (SIM), Roque da Cunha, já tinha avançado à Lusa que Portugal regista mais de 50 médicos infetados com o vírus — sendo que os últimos cinco casos identificados eram no Hospital SAMS — e que havia mais de 150 médicos em quarentena, apelando ao Governo para disponibilizar mais meios para aqueles profissionais trabalharem protegidos e protegerem os doentes.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hospital do SAMS confirma doentes e funcionários infetados com coronavírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião