Coronavírus. Eurogrupo discute por videoconferência medidas com cariz de urgência

  • Lusa
  • 16 Março 2020

"Este sentido de urgência e esforço de coordenação não tem precedentes na Zona Euro”, escreveu Mário Centeno, no Twitter. Ministros das Finanças vão discutir medidas para mitigar impacto do surto.

Os ministros das Finanças europeus reúnem-se, esta segunda-feira, por videoconferência para acordar, com sentido de urgência “sem precedentes”, medidas que mitiguem o impacto económico do surto do novo coronavírus, que ameaça mergulhar a economia europeia na recessão.

“Tenho estado em contacto próximo com os ministros das Finanças, o Banco Central Europeu, a Comissão Europeia e outras instituições para preparar a nossa reunião. […] Este sentido de urgência e esforço de coordenação não tem precedentes na Zona Euro”, escreveu durante o fim de semana o presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, na sua conta oficial na rede social Twitter.

Numa série de quatro publicações, o presidente do fórum informal de ministros da zona euro indica que a reunião desta segunda-feira, alargada aos países que não fazem parte da moeda única, “será dedicada à resposta ao Covid-19” e, reconhecendo que “a grande parte da ação política inicial cabe às capitais”, adianta que conduzirá os trabalhos no sentido de que o Eurogrupo acorde “uma resposta política global e coordenada ao nível da UE para esta crise de saúde”.

Esta reunião do Eurogrupo será um passo importante no nosso caminho para conter o vírus. Estou convencido de que, à medida que a situação evolui, outros passos serão dados. Permaneceremos juntos para ultrapassar o medo e relançar as nossas economias”, escreve.

A concluir as suas publicações sobre a reunião desta segunda-feira o ministro das Finanças português explica que a mesma realizar-se-á por videoconferência, dadas as medidas restritivas em curso por toda a Europa. Centeno observa que “este formato assegurará a representação sistémica” dos Estados-membros e “protegerá o processo de tomada de decisão coletivo neste período crítico”.

Na sexta-feira, a Comissão Europeia já admitiu como “muito provável” que o crescimento da economia da Zona Euro e do conjunto da União recue para níveis abaixo de zero este ano, face ao “choque” provocado pelo surto de Covid-19.

“Podemos dizer que é muito provável que o crescimento na Zona Euro e na União Europeia (UE) como um todo caia para baixo de zero este ano, e potencialmente consideravelmente abaixo de zero”, assumiu o responsável máximo da Direção-Geral de Assuntos Económicos e Financeiros da Comissão Europeia (DG ECFIN).

Maarten Verwey falava num briefing para jornalistas na sede do Executivo comunitário, em Bruxelas, depois de uma conferência de imprensa da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, sobre a resposta da UE à crise provocada pelo novo coronavírus, sobretudo no plano económico.

“Aquilo a que estamos a assistir é a uma previsão de crescimento que está a deteriorar-se muito rapidamente. Em fevereiro, publicámos as nossas previsões de inverno, e nessa altura ainda pensávamos que a economia da UE cresceria 1,4% e a da zona euro 1,2%, mas o que é claro face a tudo o que está a acontecer é que será necessário adaptar [as previsões] e provavelmente de forma muito significativa”, afirmou.

A presidente da Comissão Europeia anunciou na sexta-feira uma verba de 37 mil milhões de euros para apoiar o setor da saúde e as pequenas e médias empresas afetadas pelo novo coronavírus, que começa a causar um “tremendo choque” económico.

Portugal pode vir a arrecadar 1,8 mil milhões de euros em fundos europeus para apoiar setores afetados pela Covid-19, na saúde ou nas pequenas e médias empresas, no âmbito desse “bolo” de 37 mil milhões.

Na prática, o Executivo comunitário propôs redirecionar 37 mil milhões de euros de investimento público europeu para fazer face às consequências, tendo por base a opção de Bruxelas de abdicar de reclamar aos Estados-membros o reembolso do pré-financiamento não utilizado para os fundos europeus estruturais e de investimento para 2019.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Coronavírus. Eurogrupo discute por videoconferência medidas com cariz de urgência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião