Estes negócios resistem melhor à pandemia do coronavírus

O coronavírus está a provocar uma razia nas bolsas, mas nem todas as empresas perdem tanto com o flagelo. Até dada medida, empresas como Netflix, Clorox e Purell estão a resistir melhor à pandemia.

A pandemia do coronavírus está a romper com a economia mundial e a generalidade das empresas enfrenta um período de dificuldades, esperando-se quebras acentuadas nas vendas. Mas o surto não está a afetar todos os negócios e setores da mesma forma. Enquanto as empresas de viagens são das mais castigadas, outras têm-se mostrado resistentes ao flagelo.

Vários países estão a aplicar restrições nas deslocações e a implementar quarentenas. As populações estão a ser aconselhadas a evitarem saídas desnecessárias e a optarem pelo trabalho remoto, de forma a evitar a transmissão do vírus ou a serem contagiadas por alguém que já esteja doente.

Posto isto, a perspetiva de que mais gente opte ou seja forçada a ficar vários dias em casa, ou a de que as pessoas lavem mais as mãos e tenham de recorrer a mais produtos de limpeza, está a beneficiar algumas marcas e empresas, pelo menos até certa medida.

O ECO reuniu alguns desses casos:

  • Netflix: Tem sido apontada como uma das marcas mais “imunes” à pandemia, pelo facto de mais gente ter de ficar em casa e poder vir a subscrever a plataforma de streaming. Não é totalmente verdade: as ações da empresa não escaparam à pressão vendedora que se instalou nas bolsas mundiais nas últimas semanas. Mas, desde 24 de fevereiro, os títulos da Netflix perderam “apenas” cerca de 5%, enquanto, por exemplo, a Lufthansa afundou 30% no mesmo período. Ainda assim, a escala do problema poderá dar um impulso às subscrições.
  • Clorox: Fabrica produtos de limpeza que estão a “voar” das prateleiras nos EUA. À Vox, fonte oficial confirmou que o grupo canadiano viu-se forçado a aumentar a produção de desinfetantes em plena pandemia, sobretudo toalhetes. Desde 24 de fevereiro, os títulos da Clorox estão a ganhar 1,32%.
  • Purell: É uma conhecida marca de álcool-gel com etanol que ajuda a desinfetar rapidamente as mãos. Este tipo de produto tem sido recomendado pelas autoridades de saúde por poder neutralizar o coronavírus com alguma eficácia, prevenindo o contágio. Fonte oficial da Purell também confirmou à Vox que regista um aumento expressivo na procura e que registou outros aumentos do mesmo género em epidemias no passado.
  • Uber Eats: As plataformas de entregas de refeições ao domicílio ainda não tiveram de suspender as operações. Até essa possibilidade, estes negócios da economia da partilha têm registado aumentos nas vendas, noticiou o The Guardian. Dados do British Retail Consortium e da KPMG apontam para um aumento de 3,6% nas vendas das empresas de refeições ao domicílio, comparativamente com uma queda de 1,8% nas vendas em loja física. Contactada, a Uber não quis responder às perguntas do ECO. Já a concorrente Glovo disse que a atividade “tem decorrido dentro dos padrões habituais”.
  • Moderna: É uma pequena farmacêutica que está a trabalhar no desenvolvimento de uma vacina para o coronavírus. Os primeiros testes em humanos poderão arrancar já em abril. Desde o começo do sell-off nas bolsas, as ações da Moderna acumulam um ganho de 27%.
  • Zoom: Gere uma plataforma de videoconferências que serve de alternativa ao Skype e tem vindo a ganhar popularidade. Com a perspetiva de que mais gente fique a trabalhar remotamente a partir de casa, os investidores estão a apostar nesta empresa, que soma um ganho de quase 1% em bolsa desde 24 de fevereiro.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estes negócios resistem melhor à pandemia do coronavírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião