Razia nas bolsas. Lisboa afunda 5% para mínimos de 24 anos

Quinta-feira negra nas bolsas, depois de Donald Trump ter imposto restrições nos voos europeus para os EUA. Em Lisboa, novo afundanço de 5% atira PSI-20 para mínimos de mais de duas décadas.

As bolsas estão a viver novo dia de grande turbulência por causa do coronavírus. O Presidente norte-americano suspendeu todas as ligações aéreas com a Europa durante um mês, em mais um esforço para conter o novo vírus mas que trará consequências económicas indeterminadas. Em Lisboa, em novo afundanço de 5%, o PSI-20 cai vertiginosamente para mínimos de 24 anos.

O PSI-20 chegou a tombar mais de 6% para baixo dos 4.000 pontos.Há momentos seguia com perdas de 4,82% para 4.027,87 pontos, com todas as 18 cotadas a perder mais de 3%. Já cai mais de 20% desde o início do ano.

As grandes cotadas EDP, EDP Renováveis e BCP deslizam quase 5%, e são quem mais pressionam o índice de referência nacional. Isto enquanto a Jerónimo Martins e a Galp recuam cerca de 3,7%.

Os piores desempenhos em Lisboa pertenciam aos CTT e à Altri, com quedas abruptas de 7%.

PSI-20 em mínimos de 24 anos

Donald Trump anunciou a proibição, por 30 dias, de todos os voos de e para os países europeus que pertencem ao espaço Schengen.

“Para impedir que novos casos entrem no nosso solo, vamos suspender todas as viagens da Europa para os EUA nos próximos 30 dias”, anunciou o Presidente americano numa suspensão que arranca já à meia-noite desta sexta-feira e acontece numa altura em que os casos de coronavírus estão a aumentar de forma significativa no Velho Continente. Bruxelas já veio pedir a Washington para evitar uma disrupção económica com esta proibição. Entretanto, deste lado do Atlântico, Itália e Dinamarca já “fecharam” as fronteiras. A Organização Mundial de Saúde declarou estado de pandemia, com um novo vírus a espalhar-se à escala mundial.

O setor da aviação está sob alta pressão. O Stoxx 600 Travel & Leisure, que acompanha o desempenho de 17 ações ligadas ao setor das viagens e lazer, afunda 9,40% com a queda acentuada do preço dos títulos das principais companhias aéreas da Europa. A Lufthansa já esteve a cair 10% em Frankfurt. As duas principais low-cost, Ryanair e easyJet, recuam 7,53% e 7,14%.

Entre os principais índices, o Stoxx 600, que reúne as 600 maiores empresas do Velho Continente, servindo de referência, cai 5,99%. Praças como Frankfurt, Paris e Madrid também cedem mais de 5%.

Os olhos dos investidores vão estar agora colocados em Christine Lagarde e no que o Banco Central Europeu (BCE) irá fazer para travar uma maior transmissão dos efeitos da pandemia à economia.

(Notícia atualizada às 10h36)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Razia nas bolsas. Lisboa afunda 5% para mínimos de 24 anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião