Empresários ainda não estão a recorrer às ajudas do Estado por causa do vírus. Estão em modo “solidariedade” e “desenrascanço”

As empresas estão a desdramatizar a situação e garantem que recorrer às medidas anunciadas pelo Governo, só em último recurso. A estratégia é solidariedade e desenrascanço.

As empresas nacionais dependentes do fornecimento de matérias-primas da China e de Itália, e que exportem para estes dois mercados, são as mais vulneráveis aos efeitos do coronavírus e as principais candidatas a recorrer às medidas de apoio anunciadas pelo Executivo. No entanto, as empresas contactadas têm discurso alinhado para desdramatizar a situação e garantem que recorrer às medidas, só em último recurso. A estratégia é solidariedade e desenrascanço.

“Há um conjunto de empresas do setor do vestuário que estão a ajudar-se mutuamente”, conta César Araújo, presidente da Anivec. “Se faltam telas, por exemplo, ligam para outra empresa que as tenha e pedem. Se tenho um problema ligo a outra empresa e vice-versa”, explica o empresário sublinhando que o objetivo é “aguentar o máximo possível” porque “há noção das dificuldades do país”. “Só usaremos as medidas se for extremamente necessário“, acrescenta César Araújo.

Os portugueses são muito desenrascados, principalmente o povo cá do norte“, sublinha, por seu turno, António Ferreira, fundador da Bolflex. Para esta empresa especializada em componentes para calçado, a solução é “abrir uma linha de crédito por uma questão de segurança e para assegurar a continuidade dos serviços”. António Ferreira considera que “as ajudas do Estado são poucas e insuficientes” e que os empresários deveriam ter “mais ajudas”.

Só usaremos as medidas se for extremamente necessário.

César Araújo

Presidente da Anivec

Para já, em cima da mesa está um pacote de medidas que passa por uma linha de tesouraria de 200 milhões de euros, o alargamento do prazo para as empresa pagarem impostos, a agilização dos lay-offs e algumas formas de flexibilização dos fundos comunitários. Mas o Governo garante que estas são medidas dinâmicas, que serão reavaliadas à medida que a situação vá evoluindo.

Apesar de as Nações Unidas já falarem de recessão mundial devido ao coronavírus, com a economia a perder entre um a dois biliões de euros, os empresários nacionais estão apreensivos mas expectantes. “Algumas das matérias-primas de que precisamos estão atrasadas“, reconheceu ao ECO, Fortunato Frederico. O dono da Kyaia, que detém a marca Fly London, admite que a situação “é motivo de apreensão”, até porque esta “é apenas a ponta do icebergue, que ainda não se vê”. Para o empresário, a decisão de Itália colocar a totalidade do país de quarentena “é um panorama realmente assustador”.

Se tivermos de parar a produção, para nós seria uma tragédia, porque estamos em força a exportar”, reconhece Fortunato Frederico, numa referência à fábrica de calçado de Felgueiras, que teve de encerrar portas porque todos os seus colaboradores foram colocados de quarentena depois de o dono da empresa ter ido à feira de calçado de Milão onde foi infetado com Covid-19. “A minha postura é de apreensão pura e dura, mas há sempre uma réstia de esperança de que as coisas não piorem”, diz.

Na Autoeuropa, por exemplo, há a sensação de que o pior pode já ter passado, porque a China já está a retomar a laboração. “A produção da Autoeuropa está coberta, não temos quaisquer impactos na importação de componentes, que decorre sem problemas“, garante fonte oficial da Autoeuropa ao ECO, quando questionada sobre eventuais impactos de um abrandamento das importações da China. “Além disso, a China já está a laborar”, acrescenta.

Já na vertente das exportações, “a China já não faz parte do top 10 dos exportadores” da fábrica de Palmela, isto porque o T-ROC tem, na Europa, o seu principal mercado de exportações — a China tem um modelo diferente deste SUV. “A Sharan e o Scirocco eram exportados em grandes quantidades para a China, mas agora já não é o caso”, acrescentou a mesma fonte oficial.

Em termos de mão-de-obra, a fábrica de Palmela já teve vários colaboradores de quarentena, mas nenhum acusou positivo e a Autoeuropa começou a adotar medidas de prevenção, antes mesmo de a Direção Geral da Saúde ter feito recomendações para as empresas.

A mesma nota de tranquilidade para o setor automóvel é dada pela Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel (AFIA). “Por enquanto não sentimos muita coisa“, diz ao ECO Adão Ferreira. O secretário-geral sublinha que “não houve nenhuma disrupção de fornecimento” mas, “se a situação continuar, poderá acontecer”, admitiu. “Notam-se atrasos na receção de algumas peças, mas não o suficiente para implicar a paragem de qualquer empresa”, avança Adão Ferreira, referindo que o inquérito que a associação fez junto dos seus associados não revelou quaisquer sinais de alarme. Ainda assim, o responsável receia o “efeito dominó”, até porque “Portugal não é muito diferente de Itália”.

"Se tivermos de parar a produção, para nós seria uma tragédia, porque estamos em força a exportar.”

Fortunato Frederico

Kyaia

O efeito dominó não é apenas externo. A Frezite, que começou por ser apenas uma empresa de ferramentas de corte e hoje se estende ao setor aerospacial, está a “reforçar a atividade” tendo em conta “a instabilidade do setor automóvel”, explicou ao ECO, José Manuel Fernandes. O fundador do grupo explica que a empresa tem em vigor o seu próprio plano e contingência, que poderá passar por colocar alguns trabalhadores em regime de teletrabalho. “Estamos preocupados com o período mau do setor automóvel, tendo em conta o défice de estabilidade quanto às fontes energéticas, em stop and go, em múltiplas áreas”, explicou o empresário. Assim, a Frezite “está a apostar nos outros núcleos” que tem vindo a desenvolver como o da aeronáutica, aeroespacial e metalomecânica de alta precisão, onde “temos novas oportunidades”, acrescentou.

O ECO contactou várias empresas e todas garantiram que não vão para já recorrer à linha de tesouraria nem aos lay-offs. Aliás, a figura do lay-off já é usada setor do calçado, “mas apenas por uma questão estratégica”, frisou ao ECO, Paulo Gonçalves, diretor de comunicação da Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes, Artigos de Pele e seus Sucedâneos (APICCAPS). O recurso ao lay-off é, na opinião da APICCAPS, “uma excelente medida de gestão e há, por isso, várias empresas que dessa ferramenta fazem recurso, no período de transição de coleção, como é aquele que se vive neste momento”.

Ao nível do vestuário, César Araújo assegura que “não há muitas empresas em lay off, até porque isto, numa situação normal, significa que as empresas estão com problemas de produção”. “A nossa indústria tem um contrato coletivo de trabalho que permite a adaptabilidade e férias — que é o que estamos a fazer, baseado nas necessidades. Para já não temos ninguém que tenha recorrido a outra situação para além destas“, frisou.

“Mas quanto mais tempo a situação se mantiver, será necessário introduzir novos mecanismos que têm de ser articulados com as empresas, com o Ministério da Economia, a secretaria de Estado da Internacionalização e o Ministério do Trabalho”, explica o presidente da Anivec. “E já estamos a falar com eles”, frisa.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Empresários ainda não estão a recorrer às ajudas do Estado por causa do vírus. Estão em modo “solidariedade” e “desenrascanço”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião