Coronavírus acaba com apertos de mão, high fives ou beijos. Há outras formas de cumprimentar

Os receios de contágio do coronavírus estão a colocar um ponto final nos beijos e apertos de mão. Das missas, aos líderes mundiais, passando pela NBA, conheça os novos métodos de saudações.

Os receios quanto ao contágio do novo coronavírus — reconhecido pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como Covid-19 –, têm-se alastrado um pouco por todo o mundo. E estão a levar as autoridades de saúde a emitir recomendações quanto ao contacto entre humanos.

Desde recomendações para evitar beijinhos nas missas, a high fives, passando por cumprimentos de pés ou cotovelos, conheça “regras” para evitar novas infeções.

Evitar beijinhos nas missas e comunhão só na mão

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) apelou a mudanças nas celebrações de missas católicas, por forma a “evitar situações de risco” e na sequência dos primeiros casos confirmados detetados no país. Entre as várias recomendações está “a comunhão na mão, a comunhão por intenção dos sacerdotes concelebrantes [molhar a hóstia no vinho], a omissão do gesto da paz e o não uso da água nas pias de água benta”, defendem os bispos.

Costa recomenda “cumprimentos menos efusivos”. Marcelo apela a “bom senso”

Seguindo as recomendações da Direção Geral da Saúde, o primeiro-ministro português aponta que lavar as mãos “é o meio mais eficaz para prevenir o contágio”, considerando que “todos devemos ser menos efusivos nos cumprimentos uns aos outros nos próximos tempos”, apelando a um “comportamento responsável”. Já esta terça-feira, em declarações transmitidas pela RTP3, o Presidente da República não vê “razão para alterar o essencial do comportamento”, acrescentando que “o bom senso passa pelo equilíbrio”.

Irão insta a cumprimentos com os pés

Por forma a evitar a tradicional forma de cumprimentos e uma vez que no Irão é considerado inapropriado apertar as mãos entre pessoas de sexos opostos, o país está a promover o slogan: “Não aperto a tua mão porque gosto de ti”. Num vídeo publicado nas redes sociais é visível três homens — dois dos quais com máscaras e mãos nos bolsos –, a cumprimentarem-se batendo os pés um no outro – o chamado footshake. Recorde-se que no Irão já morreram 66 pessoas vítimas deste surto.

É fã de NBA? Os jogadores já não vão dar autógrafos e high five

A Liga norte-americana de Basquetebol profissional (NBA) emitiu dez recomendações aos seus jogadores, entre as quais que evitem dar high five aos adeptos e a estranhos, bem como autógrafos, devido ao surto de Covid-19. Para elaborar esta lista, a organização contactou uma série de especialistas em doenças infecciosas, incluindo o Centro para Controlo de Doenças e investigadores da Universidade Columbia, em Nova Iorque.

“Dê flores, não beijos”, apela a Roménia

O festival Martisor na Roménia dá as boas-vindas à primavera no país. No âmbito deste festival e com os receios de contágio do novo coronavírus foi posto a circular o slogan: “Dê flores, não beije”, numa alusão também ao Dia Internacional da Mulher, celebrado a 8 de março. Ao invés, o secretário de Estado da Saúde aconselhou os homens a não beijarem as mulheres a quem irão oferecer flores e um amuleto da sorte – o martisor – como é tradição no início da primavera.

Nova Zelândia evita “beijinho à esquimó”

Em algumas instituições de ensino na Nova Zelândia os novos alunos são habitualmente recebidos pelos funcionários com o chamado “beijinho à esquimó”. Agora, com as recomendações para evitar o contacto próximo, os estabelecimentos de ensino dizem que vão abolir esse contacto e recebê-los com uma música Maori (povo nativo da Nova Zelândia), segundo o Egypt Independent.

Brasil evitar partilha do “chimarrão”

O Ministério da Saúde do Brasil recomendou que os brasileiros não partilhassem os canudos de metal usados para beber o tradicional chimarrão, uma bebida muito popular na América do Sul que teve origem nas culturas indígenas.

Líderes mundiais: do cumprimento do cotovelo ao simples aceno

Os grandes líderes mundiais querem dar o exemplo nesta nova etiqueta de cumprimento social. Se esta segunda-feira, o ministro alemão do Interior, Host Seehofer recusou apertar a mão da chanceler alemã Angela Merkel, de forma a “dar o exemplo”, cumprimentando com um aceno de mão, o médico que liderou a equipa da Organização Mundial de Saúde enviada à China não quis mais longe. Bruce Aylwar cumprimentou com o cotovelo uma jornalista que a quis saudar, revela o The Guardian.

China aposta no Gong Shou

No país onde o surto do novo coronavírus começou, as autoridades de saúde aconselharam desde o início as pessoas a não trocarem apertos de mão. Em vez disso, recomendam à população para que façam o gesto de Gong Shou – em que devem unir as suas próprias mãos em saudação –, ou a “trocar um toque de cotovelo”, como acontece na cidade chinesa de Wenzhou, na província de Zhejiang.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Coronavírus acaba com apertos de mão, high fives ou beijos. Há outras formas de cumprimentar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião