Coronavírus acaba com apertos de mão, high fives ou beijos. Há outras formas de cumprimentar

Os receios de contágio do coronavírus estão a colocar um ponto final nos beijos e apertos de mão. Das missas, aos líderes mundiais, passando pela NBA, conheça os novos métodos de saudações.

Os receios quanto ao contágio do novo coronavírus — reconhecido pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como Covid-19 –, têm-se alastrado um pouco por todo o mundo. E estão a levar as autoridades de saúde a emitir recomendações quanto ao contacto entre humanos.

Desde recomendações para evitar beijinhos nas missas, a high fives, passando por cumprimentos de pés ou cotovelos, conheça “regras” para evitar novas infeções.

Evitar beijinhos nas missas e comunhão só na mão

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) apelou a mudanças nas celebrações de missas católicas, por forma a “evitar situações de risco” e na sequência dos primeiros casos confirmados detetados no país. Entre as várias recomendações está “a comunhão na mão, a comunhão por intenção dos sacerdotes concelebrantes [molhar a hóstia no vinho], a omissão do gesto da paz e o não uso da água nas pias de água benta”, defendem os bispos.

Costa recomenda “cumprimentos menos efusivos”. Marcelo apela a “bom senso”

Seguindo as recomendações da Direção Geral da Saúde, o primeiro-ministro português aponta que lavar as mãos “é o meio mais eficaz para prevenir o contágio”, considerando que “todos devemos ser menos efusivos nos cumprimentos uns aos outros nos próximos tempos”, apelando a um “comportamento responsável”. Já esta terça-feira, em declarações transmitidas pela RTP3, o Presidente da República não vê “razão para alterar o essencial do comportamento”, acrescentando que “o bom senso passa pelo equilíbrio”.

Irão insta a cumprimentos com os pés

Por forma a evitar a tradicional forma de cumprimentos e uma vez que no Irão é considerado inapropriado apertar as mãos entre pessoas de sexos opostos, o país está a promover o slogan: “Não aperto a tua mão porque gosto de ti”. Num vídeo publicado nas redes sociais é visível três homens — dois dos quais com máscaras e mãos nos bolsos –, a cumprimentarem-se batendo os pés um no outro – o chamado footshake. Recorde-se que no Irão já morreram 66 pessoas vítimas deste surto.

É fã de NBA? Os jogadores já não vão dar autógrafos e high five

A Liga norte-americana de Basquetebol profissional (NBA) emitiu dez recomendações aos seus jogadores, entre as quais que evitem dar high five aos adeptos e a estranhos, bem como autógrafos, devido ao surto de Covid-19. Para elaborar esta lista, a organização contactou uma série de especialistas em doenças infecciosas, incluindo o Centro para Controlo de Doenças e investigadores da Universidade Columbia, em Nova Iorque.

“Dê flores, não beijos”, apela a Roménia

O festival Martisor na Roménia dá as boas-vindas à primavera no país. No âmbito deste festival e com os receios de contágio do novo coronavírus foi posto a circular o slogan: “Dê flores, não beije”, numa alusão também ao Dia Internacional da Mulher, celebrado a 8 de março. Ao invés, o secretário de Estado da Saúde aconselhou os homens a não beijarem as mulheres a quem irão oferecer flores e um amuleto da sorte – o martisor – como é tradição no início da primavera.

Nova Zelândia evita “beijinho à esquimó”

Em algumas instituições de ensino na Nova Zelândia os novos alunos são habitualmente recebidos pelos funcionários com o chamado “beijinho à esquimó”. Agora, com as recomendações para evitar o contacto próximo, os estabelecimentos de ensino dizem que vão abolir esse contacto e recebê-los com uma música Maori (povo nativo da Nova Zelândia), segundo o Egypt Independent.

Brasil evitar partilha do “chimarrão”

O Ministério da Saúde do Brasil recomendou que os brasileiros não partilhassem os canudos de metal usados para beber o tradicional chimarrão, uma bebida muito popular na América do Sul que teve origem nas culturas indígenas.

Líderes mundiais: do cumprimento do cotovelo ao simples aceno

Os grandes líderes mundiais querem dar o exemplo nesta nova etiqueta de cumprimento social. Se esta segunda-feira, o ministro alemão do Interior, Host Seehofer recusou apertar a mão da chanceler alemã Angela Merkel, de forma a “dar o exemplo”, cumprimentando com um aceno de mão, o médico que liderou a equipa da Organização Mundial de Saúde enviada à China não quis mais longe. Bruce Aylwar cumprimentou com o cotovelo uma jornalista que a quis saudar, revela o The Guardian.

China aposta no Gong Shou

No país onde o surto do novo coronavírus começou, as autoridades de saúde aconselharam desde o início as pessoas a não trocarem apertos de mão. Em vez disso, recomendam à população para que façam o gesto de Gong Shou – em que devem unir as suas próprias mãos em saudação –, ou a “trocar um toque de cotovelo”, como acontece na cidade chinesa de Wenzhou, na província de Zhejiang.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Coronavírus acaba com apertos de mão, high fives ou beijos. Há outras formas de cumprimentar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião