Portugal fecha fronteiras com Espanha. Reforça controlo nos aeroportos

Divulgação de folhetos informativos, inquéritos epidemiológicos e observação visual dos passageiros que chegam a Portugal são algumas das medidas que serão aplicadas nos aeroportos.

Portugal vai adotar medidas de controlo sanitário reforçado nos aeroportos, anunciou o ministro da Administração Interna, após a reunião de homólogos da União Europeia. Divulgação de folhetos informativos, inquéritos epidemiológicos e observação visual dos passageiros que chegam a Portugal são algumas das medidas.

As medidas foram coordenadas com os restantes Estados-membros, explicou a ministra da Saúde, numa conferência de imprensa conjunta com o ministro da Administração Interna, transmitida pelas televisões. Será também feito um acompanhamento do trabalho do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras e da Guarda Nacional Republicana ao nível das fronteiras terrestres.

Nas fronteiras internas da UE, ou seja, no Espaço Schengen, ficou definido que se deve “permitir aos Estados a reintrodução de mecanismos de controlo de fronteira”. Eduardo Cabrita salientou que estes “não devem ser discriminatórios, nem pôr em causa o regresso de nacionais ou residentes a Portugal, ou a saída de cidadãos de regresso aos seus países de origem”.

Portugal e Espanha estão, assim, a concluir as notas técnicas para permitir, ainda esta segunda-feira, reintroduzir controlos terrestres nas fronteiras. Vão existir apenas nove pontos de passagem terrestre entre os dois países, sendo que, em todos os outros pontos, a travessia será interditada, disse Eduardo Cabrita.

“É fundamental manter a economia a funcionar”, por isso “é essencial manter transporte de mercadorias, designadamente circulação de produtos alimentares”, disse o ministro. Também serão permitidos os trabalhadores que, por razões profissionais, tenham que se deslocar, sendo que mesmo nestes casos serão feitos controlos sanitários.

(Notícia atualizada às 13h20)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal fecha fronteiras com Espanha. Reforça controlo nos aeroportos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião