Empresas do calçado a parar por causa do coronavírus? Apiccaps recomenda dar férias aos trabalhadores

A Associação Portuguesa do Calçado está recomendar às empresas que queiram temporariamente parar os trabalhos que sugiram aos trabalhadores irem de férias durante dez dias.

Face à pandemia de coronavírus, a Associação Portuguesa dos Industriais de Calçados, Componentes, Artigos de Pele e seus Sucedâneos (Apiccaps) está a recomendar às empresas, que queiram temporariamente fechar as portas, que façam com os seus trabalhadores um acordo escrito para gozo de dez dos 22 dias de férias a que têm direito anualmente. Isto de acordo com uma circular enviada, segunda-feira, às empresas, à qual o ECO teve acesso.

“Por sugestão da direção, as empresas que entendam mais aconselhável encerrar durante este período podem e devem fazer [um] acordo escrito com os trabalhadores para o gozo de dez dias úteis de férias por conta das férias a gozar este ano”, recomenda a associação liderada por Luís Onofre.

Na circular, a Apiccaps sublinha que tal opção permite aos trabalhadores “ficarem com os filhos” — numa altura em que todas as escolas estão encerradas –, bem como evita a formação de cadeias de contágio nas instalações fabris. “Sem trabalhadores saudáveis, não será possível recomeçar a produção quando esta epidemia for ultrapassada“, entendem os representantes do calçado.

De férias, os trabalhadores mantêm o direito ao seu salário por inteiro, a ser pago a 100% pelo empregador. Tal contrasta com as medidas anunciadas até agora pelo Governo.

Para os trabalhadores que tenham de ficar em casa para acompanhar os filhos até aos 12 anos, Executivo já anunciou um apoio equivalente a dois terços da remuneração base, pago em partes iguais pelo empregador e pela Segurança Social.

Além disso, este domingo, o Governo de António Costa publicou a portaria que define as regras do “novo lay-off. Esse regime destina-se às empresas em paragem total ou com uma quebra de 40% da faturação resultante da pandemia de coronavírus e implica um corte também para dois terços os salários dos trabalhadores. Desse valor, 70% passa a ser pago pela Segurança Social, tendo o empregador de pagar apenas 30% desses dois terços. Este apoio só é, contudo, renovável para lá do primeiro mês se os trabalhadores tiverem gozados os 22 dias de férias previstos na lei.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas do calçado a parar por causa do coronavírus? Apiccaps recomenda dar férias aos trabalhadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião