Banco de Inglaterra corta taxa de juro para 0,1% e reforça compra de dívida para 645 mil milhões

O banco central do Reino Unido anunciou um novo pacote de emergência para responder à pandemia de Covid-19 no país.

O Banco de Inglaterra (BoE) lançou um novo pacote de emergência para responder à pandemia de Covid-19. Numa reunião extraordinária que teve lugar esta quinta-feira, o comité de política monetária (CPM) decidiu cortar a taxa de juro de referência em 15 pontos base, para 0,1%, e aumentar a compra de dívida pública e privada.

“Numa reunião especial realizada a 19 de março, o CPM considerou necessário um pacote adicional de medidas para atender aos seus objetivos estatutários. Por isso, votou por unanimidade o aumento da exposição do Banco da Inglaterra a títulos de dívida pública do Reino Unido e a obrigações de empresas com nível de investimento de qualidade em 200 mil milhões de libras para um total de 645 mil milhões de libras”, anunciou o banco central em comunicado.

Em simultâneo, decidiu cortar a taxa de juro de referência pela segunda vez em menos de um mês. A 11 de março, o Banco de Inglaterra já tinha cortado a taxa de juro diretora — a que cai agora para 0,1% — de 0,75% para 0,25%. Na altura, o banco central anunciou igualmente um novo pacote de financiamento para os bancos, desenhado a pensar na concessão de crédito às pequenas empresas, eventualmente menos preparadas para o período de quebra nas vendas que se regista por causa da epidemia.

Agora, o banco central decidiu aprofundar os estímulos, naquela que foi a primeira decisão tomada pelo novo governador Andrew Bailey. Nos últimos dias, e em linha com vários outros mercados de dívida de economias desenvolvidas, as condições no mercado de obrigações do Reino Unido deterioraram-se à medida que os investidores procuram instrumentos com maturidades mais curtas que são substitutos mais próximos das reservas de liquidez dos bancos centrais. Como consequência, houve um aperto nas condições financeiras globais e do Reino Unido”, justificou o Banco de Inglaterra.

A decisão britânica segue em linha com o que têm feito outros bancos centrais, com destaque para a Reserva Federal norte-americana. Na Zona Euro, o Banco Central Europeu não cortou juros, mas lançou igualmente um pacote de estímulos para travar o impacto da pandemia na economia. Ainda esta quarta-feira à noite, o BCE anunciou um novo programa de compra de ativos públicos e privados de emergência no valor de 750 mil milhões de euros.

(Notícia atualizada às 15h05)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco de Inglaterra corta taxa de juro para 0,1% e reforça compra de dívida para 645 mil milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião