Comissão Europeia cria reserva de equipamento médico. Inclui ventiladores e máscaras de proteção

A reserva de equipamento médico ficará depositada em um ou mais Estados-membros, que ficarão responsáveis pelo concurso para a aquisição do equipamento.

Perante a pandemia de Covid-19, a Comissão Europeia decidiu criar uma reserva estratégica de equipamento médico, para apoiar os Estados-membros. Esta reserva inclui ventiladores e máscaras de proteção, alguns dos equipamentos que fazem mais falta para lidar com este surto.

Chamada de rescEU, irá contemplar também vacinas e meios terapêuticos e material de laboratório. A Comissão vai financiar 90% do custo da reserva, sendo que o orçamento inicial da UE para esta reserva é de 50 milhões de euros, dos quais 40 milhões de euros carecem de aprovação das autoridades orçamentais.

A reserva ficará depositada em um ou mais Estados-Membros, que ficarão responsáveis pelo concurso para a aquisição do equipamento. Cabe ao Centro de Coordenação de Resposta de Emergência gerir a distribuição do equipamento “de modo que este chegue aonde será mais necessário”, explica a Comissão, em comunicado.

A partir desta sexta-feira, os Estados-Membros poderão solicitar uma subvenção direta da Comissão Europeia, se quiserem ter no seu território uma reserva. A rescEU integra-se no Mecanismo de Proteção Civil da UE, ao qual os países podem recorrer quando a gravidade da situação de emergência ultrapassa a sua capacidade de resposta.

Foi também já iniciado pelos países da UE um processo de aquisição de equipamento de proteção individual, de ventiladores e do material necessário para o novo coronavírus, no âmbito de um acordo de contratação pública conjunta. A ministra da Saúde portuguesa, Marta Temido, tinha já adiantado o interesse de Portugal neste procedimento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comissão Europeia cria reserva de equipamento médico. Inclui ventiladores e máscaras de proteção

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião