Mesmo antes do vírus, FMI já previa recessão em Itália

O FMI divulgou uma análise que fez à economia italiana antes do vírus e já antecipava uma recessão. O problema é ainda maior agora que o país é o mais afetado pelo coronavírus em todo o mundo.

A prioridade em Itália é resolver o problema de saúde pública, mas os italianos têm de se preparar para a recessão económica que vem aí. Segundo uma análise do Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgada esta sexta-feira, a economia italiana já iria entrar em recessão em 2020 mesmo antes do surto do vírus ter tornado o país no mais afetado neste momento.

O relatório (Country Report) foi preparado com a informação disponível até 28 de janeiro e, por isso, não tem em conta a (quase) paralisação da economia italiana cujo objetivo é conter a propagação do vírus para não sobrecarregar o sistema de saúde, o que já está a verificar-se. Esta é a “correta prioridade de curto prazo” que conta com a solidariedade do FMI que “expressa a sua simpatia aos italianos e às autoridades pelo elevado custo humano e económico da pandemia“.

No entanto, é possível concluir que — mesmo sem aquele que se espera que seja um grande impacto na economia — Itália já ia entrar em recessão em 2020 com uma contração de 0,6% do PIB, segundo as previsões do FMI. De igual forma, a taxa de desemprego, o défice orçamental e a dívida pública já iriam subir.

Numa nota técnica noticiada pela Bloomberg há duas semanas, também os técnicos da Comissão Europeia antecipavam uma recessão em Itália, a já a contar com o impacto do vírus. Segundo a Lusa, o instituto de investigação italiano REF Ricerche prevê que a economia vá contrair 8% no primeiro semestre do ano. E no Ministério das Finanças italianos já se trabalha com um novo número: uma contração anual de 3%, de acordo com a Reuters.

O Fundo elogia as respostas “resolutas” das autoridades, incluindo as “mais recentes medidas decisivas”, mas pede que haja ação “coordenada” a nível regional (Zona Euro) e internacional para combater os efeitos adversos da pandemia. Certo é que “o surto amplificou muito as incertezas e os riscos descendentes relativos às perspetivas futuras” da economia italiana.

Quando passar o problema de saúde pública, o Fundo considera ser necessário implementar um “pacote de medidas amplo para aumentar o crescimento potencial e melhorar a resiliência”, o que deverá incluir reformas estruturais para subir a produtividade e o investimento, uma consolidação orçamental “credível” a médio prazo para baixar a dívida pública e medidas para ajudar o setor da saúde a nível financeiro.

A equipa do FMI está a monitorizar a crise de saúde e irá continuar a trabalhar para avaliar o impacto e as respostas políticas em Itália e a nível mundial.

(Notícia atualizada às 14h26 com mais previsões)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mesmo antes do vírus, FMI já previa recessão em Itália

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião