Covid-19: Ageas reforça seguros de profissionais de saúde

  • ECO Seguros
  • 23 Março 2020

O contexto de emergência imposto pela pandemia levou a Ageas a aumentar capital seguro para proteção de stocks das empresas. Junto dos profissionais de saúde eliminou franquias para incapacidade.

A Ageas divulgou as medidas que tomou como resposta ao Covid-19, em comunicado hoje enviado. “Mantivemos uma posição de proximidade junto dos Clientes Particulares, Empresas e Ordens Profissionais, em particular com os profissionais de Saúde, que, neste momento, precisam do nosso apoio como nunca”, salienta a companhia.

A abrangência pelo seguro de Acidentes de Trabalho, em situações de trabalho remoto, ou das entregas ao domicílio por parte dos clientes do setor da Restauração, caso um imprevisto aconteça durante o exercício da atividade, foi extensão criada para responder à crise pandémica.

Para as empresas em geral ” que estão a viver com o abrandamento da economia e pela dificuldade em escoar os suas produtos”, a companhia aumentou o capital seguro em 20%, no máximo de 250.000€ para efeitos de proteção dos stocks, “de forma automática e sem necessidade de pedido por parte dos clientes”.

A Ageas Seguros realça ainda que trabalha em parceria com várias Ordens Profissionais, “de modo a poder dar as melhores respostas aos setores de atividade em causa. É o caso da parceria com a Ordem dos Médicos (OdM), que tem um objetivo comum: gerir, antecipar e proteger os médicos contra riscos e imprevistos, para que possam viver o presente e o futuro com a máxima segurança e serenidade”.

Esta parceria com a OdM permite, segundo a empresa, “uma maior proximidade com os médicos, um conhecimento mais profundo das suas necessidades e permite desenvolver as soluções mais adequadas para estes profissionais e para as suas famílias, potenciando a sua proteção e seu bem-estar”. Desta forma, a Ageas decidiu não aplicar a franquia de 30 dias na cobertura de Incapacidade Temporária para o Trabalho, parte do Seguro de Vida, no caso de contração do Covid-19 em âmbito profissional, para Médicos, Enfermeiros, Farmacêuticos e Médicos Dentistas”, detalha a seguradora.

A companhia providencia esclarecimentos adicionais sobre as coberturas de seguros.

Um Q&A para as dúvidas mais frequentes

A Ageas decidiu publicar um bloco de perguntas e respostas de acordo com as dúvidas que têm sido colocadas mais frequentemente.

Os seguros de vida garantem as situações de Morte e Invalidez em consequência de infeção pela Covid-19?

Sim, garantem. A única exceção aplica-se no caso de a pessoa contrair a doença no âmbito de uma deslocação temporária ou permanente para países ou regiões em que ocorra epidemia/pandemia declarada pelas Autoridades de Saúde. As deslocações no Território Nacional estão garantidas.

E em relação às coberturas Complementares do Seguro de Vida?

Dado o atual contexto, ao abrigo da cobertura de Incapacidade Temporária para o Trabalho, a Ageas Seguros tomou a decisão de não aplicar franquia (30 dias), se o Covid-19 for contraído em ambiente profissional por Médicos, Dentistas, Enfermeiros e Farmacêuticos. Nas demais situações aplicam-se as Franquias e as restantes condições definidas nas condições contratuais em vigor.

O Seguro de Acidentes Pessoais protege esta situação?

A infeção pelo Covid-19 não constitui um acidente, pelo que não se encontra garantida pelo seguro de Acidentes Pessoais.

E em relação às Coberturas de Assistência dos Seguros de Acidentes Pessoais?

As despesas médicas, repatriamento e cancelamento de viagem estarão incluídas, caso as Condições Gerais do contrato não definam as epidemias/pandemias/doenças infecto contagiosas como exclusão.

O meu seguro automóvel tem alguma alteração com o estado de emergência nacional?

A declaração do Estado de emergência em nada afeta a validade do Seguro Automóvel e o mesmo continua a ser obrigatório nos termos da lei. Todas as coberturas contratadas pelos Clientes Ageas Seguros no âmbito de um Seguro Automóvel mantêm-se inalteradas durante este período, nomeadamente a cobertura de Responsabilidade Civil Automóvel.

Do ponto de vista interno, a seguradora refere que “todas as nossas equipas estão dedicadas e empenhadas na continuidade dos nossos serviços”, por isso temos atualmente 100% das nossas equipas em trabalho remoto, incluindo o contact center e os serviços de atendimento dos nossos Mediadores”.

Os serviços de assistência médica domiciliária foram substituídos por atendimento telefónico. Diz a companhia: “Sabemos que não será um momento fácil, que enfrentaremos momentos mais complexos e até desesperantes, fruto da quarentena que muitos de nós estamos a viver e do Estado de emergência. No entanto, “gostaríamos de reforçar que, juntos ultrapassaremos mais este desafio”, assegura Ageas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Ageas reforça seguros de profissionais de saúde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião