CEO da Galp recebeu mais. Salário ficou perto de 1,8 milhões

Carlos Gomes da Silva recebeu mais pelo cargo de presidente executivo da petrolífera portuguesa. Remuneração aumentou 1,5% em 2019.

Carlos Gomes da Silva foi aumentado no ano passado. A remuneração global do presidente executivo da Galp Energia aumentou em 1,5%, aproximando-se dos 1,8 milhões de euros, revelou a petrolífera portuguesa em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Depois de em 2018 ter recebido 1,75 milhões de euros, no ano passado, e num período em que os lucros da empresa que lidera encolheram em 21% para os 560 milhões de euros, o salário do CEO cresceu para 1,778 milhões de euros.

A remuneração fixa foi de 980 mil euros, mas entre remunerações variáveis, PPR e outros, o valor total foi de quase o dobro. O bónus do ano passado foi de 181 mil euros, inferior aos 227 mil euros do prémio plurianual. Só com PPR recebeu 245 mil.

Gomes da Silva recebeu quase o dobro do administrador executivo mais bem pago da Galp Energia. Thore E. Kristiansen arrecadou 923 mil euros, enquanto José Carlos Silva auferiu 840 mil euros.

No total, a administração executiva da Galp Energia recebeu 6,629 milhões de euros, com 3,6 milhões correspondentes à remuneração fixa e os restantes três milhões foram bónus.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

CEO da Galp recebeu mais. Salário ficou perto de 1,8 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião