Trabalhadores dos call center em greve. Querem teletrabalho

  • Lusa
  • 24 Março 2020

Profissionais alertam que a maior parte dos locais de trabalho não teve qualquer preparação para o vírus. Defendem possibilidade de fazer teletrabalho.

O Sindicato dos Trabalhadores de Call Center (STCC) convocou uma greve a partir desta terça-feira para exigir teletrabalho para todos estes profissionais, “sem qualquer perda de rendimentos”, em pleno surto de covid-19.

“A situação geral nos call-center é caótica. A maior parte dos locais de trabalho não teve qualquer preparação, o que os torna potenciais focos de contágio”, alertou a entidade, num comunicado, no dia 20 de março.

Para aumentar a pressão sobre as empresas, o STCC resolveu “convocar greve geral” nos call-center a partir de hoje, defendendo que “as entidades patronais só vão acelerar a transição para teletrabalho se virem as linhas de atendimento paralisadas e os seus lucros afetados”.

Segundo o STCC, mesmo nos casos em que foram aplicadas medidas de contingência, estas “são insuficientes”.

“A ansiedade e o medo são o dia-a-dia de todos os trabalhadores. Em muitos casos, as chefias são as primeiras a ir para casa em regime de teletrabalho, ficando os trabalhadores a laborar em condições que já normalmente são insalubres e que na conjuntura atual potenciam o contágio a um nível inaceitável”, lamentou o sindicato.

O STCC deu ainda conta do panorama atual nestas empresas.

“Ainda há muitos call-center em que trabalhadores estão uns em cima dos outros sem qualquer distanciamento, os espaços são poucos e de curta dimensão, os espaços de refeição estão cheios, as casas de banho são poucas face ao elevado número de trabalhadores, os elevadores andam lotados em edifícios que chegam a ter mais de 10 andares, há falta de limpeza, falta gel desinfetante (muitas vezes são os trabalhadores que de sua iniciativa levam material de limpeza) e sabonete nas casas de banho, as portas internas estão fechadas obrigando a usar as mãos para entrar e sair”, relatou.

O sindicato disse mesmo que “trabalhadores e clientes vindos de países fortemente afetados pela pandemia não são monitorizados e estão misturados com a restante força de trabalho”, e que em alguns locais os profissionais “continuam a não estar diariamente num posto de trabalho fixo, sendo forçados a ‘dividir’ o manuseamento de computadores e de equipamentos entre si”.

O sindicato sublinhou que é “necessário que seja feita legislação específica para os call-center” e exigiu que “o Governo legisle no sentido de garantir que todos os trabalhadores de call-center sejam colocados em regime de teletrabalho, sem qualquer perda de rendimentos”.

“O Governo deve igualmente garantir que, até que todos estejamos em regime de teletrabalho, os trabalhadores de call-center que não prestem serviços essenciais (por exemplo no INEM ou no SNS24) sejam colocados em casa com salário completo. É preciso reforçar que não pode recair sobre os trabalhadores a responsabilidade de garantir os meios técnicos para a transição – algo que a legislação já prevê, mas que os empregadores não cumprem”, alertou o STCC.

A Associação Portuguesa de Contact Centers (APCC), por seu turno, já garantiu que a grande maioria dos contact centers está a recorrer ao teletrabalho para proteger os seus trabalhadores da pandemia covid-19.

“Os contact centers que integram a APCC já acionaram planos de contingência para fazer face ao surto do novo coronavírus (Covid-19) e a grande maioria já está mesmo a recorrer ao teletrabalho”, como a BlissNatura, a Cetelem, os CTT, a GS1, a RHmais e a SIBS Processos, indicou, em comunicado divulgado recentemente, a associação.

Os trabalhadores podem optar pelo regime de teletrabalho aprovado no âmbito das medidas excecionais relacionadas com a covid-19 sem que seja necessário o acordo do empregador, desde que a prestação à distância seja compatível com as suas funções, segundo legislação publicada pelo Governo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trabalhadores dos call center em greve. Querem teletrabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião