Itália regista mais 734 mortes por coronavírus. Já são 6.820 vítimas mortais

Os números globais apontam para 6.820 vítimas mortais em Itália desde o início do surto. Números sobem depois de dois dias em queda e já são mais do dobro dos registados na China.

O número de mortos devido ao surto de Covid-19 em Itália aumentou em 734 para 6.820 vítimas mortais, revelaram esta terça-feira as autoridades de saúde. Os números de vítimas mortais voltam assim a aumentar, depois de dois dias consecutivos em queda.

Com este novo balanço em Itália, o país duplica o número de mortes registadas na China. Em território chinês (sem os territórios de Hong Kong e Macau) foram registadas 3.277 mortes, menos de metade das registadas até à data em Itália (6.820).

Já o número total de casos em Itália subiu para 69.176, em relação aos anteriores 63.297 um aumento de 8,2% e em linha com os registados na segunda-feira, informou a Agência de Proteção Civil, de acordo com a Reuters (acesso livre, conteúdo em inglês).

Das pessoas originalmente infetadas em todo o país, 8.326 já recuperaram, mais 894 do que no dia anterior. Há ainda 3.396 pessoas nos cuidados intensivos, contra as anteriores 3.204.

Itália já ultrapassou a China no número de mortes, e é o segundo país com mais casos identificados de infeção de Covid-19. A região da Lombardia continua a ser a mais afetada, tendo esta terça-feira reportado um total de 4.178 mortes desde que o surto foi detetado no país e 30.703 casos confirmados.

França já tem 1.100 vítimas mortais

Em França, o número de vítimas mortais pelo novo coronavírus atingiu os 1.100, mais 240 desde segunda-feira à noite, segundo os dados oficiais revelados pelo Le Monde (acesso livre, conteúdo em francês).

Há ainda 22.300 casos confirmados no país, sendo que 10.176 pessoas estão hospitalizadas. Destes 2.516 pessoas estão em estado grave nos cuidados intensivos, sendo que 34% destes doentes têm menos de 60 anos e 58% estão entre os 60 anos e os 80. Há ainda 3.281 pessoas totalmente recuperadas.

Mortes no Reino Unido sobem para 422

No Reino Unido, o número de vítimas mortais aumentou 422, mais 87 do que as registadas nas ultimas 24 horas, segundo aponta o Serviço Nacional de Saúde britânico.

Além disso, o número de casos confirmados do novo coronavírus também aumentou, passando dos 6.650 para os 8.077. O Reino Unido vai abrir um hospital temporário na próxima semana no centro de exposições de Excel, no centro de Londres, para tratar cerca de quatro mil pessoas. Além disso, o governo de Boris Johnson está a pedir cerca de 250 mil voluntários para ajudar o Serviço Nacional de saúde britânico, avança a CNBC (acesso livre, conteúdo em inglês).

OMS alerta que Estados Unidos podem tornar-se o epicentro da epidemia

A Organização Mundial de Saúde (OMS), alertou esta terça-feira que os Estados Unidos correm o risco de se tornarem o epicentro da pandemia do novo coronavírus, devido ao rápido aumento do número de infetados no país, particularmente na cidade de Nova Iorque, avança a Reuters (acesso livre conteúdo em inglês).

Segundo o último balanço do site World o Meter, 834 pessoas já morreram devido à infeção por Covid-19. Há ainda 49,955 pessoas infetadas, mais 6.221 do que no balanço anterior.

(Notícia atualizada às 19h14 com os números de França)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Itália regista mais 734 mortes por coronavírus. Já são 6.820 vítimas mortais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião