Venda de bens penhorados ultrapassa 1.659 milhões de euros

  • ECO
  • 24 Março 2020

Ordem dos Solicitadores e dos Agentes de Execução (OSAE) registou, no ano passado, o melhor resultado de sempre com os e-leilões de bens penhorados.

Bens penhorados no âmbito de processos judiciais, de insolvência e apreendidos em processos-crime são vendidos em leilão online que têm captado cada vez mais interesse. Desde a criação do portal da Ordem dos Solicitadores e dos Agentes de Execução (OSAE), em maio de 2016, foram leiloados nos e-leilões 16.140 bens, com 2019 a registar os melhores resultados, segundo noticia o Público (acesso condicionado).

O montante das vendas ultrapassou os 1.659 milhões de euros, sendo que os produtos são muito variados. Em 2019, o mais caro foi desde uma moradia por quase quatro milhões de euros e o mais barato um domínio na Internet por 85 cêntimos. Mas são os imóveis e os veículos os bens mais vendidos, totalizando 19.818 leilões.

O bastonário da OSAE, José Carlos Resende, diz ao Público que é natural que a maior parte dos bens penhorados sejam imóveis dado que a lei determina que, “sendo executada a dívida com garantia real que onere bens pertencentes ao devedor, a penhora inicia-se pelos bens em que incida a garantia e só pode recair noutros quando se reconheça a insuficiência destes para o cumprimento do fim da execução”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Venda de bens penhorados ultrapassa 1.659 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião