Covid-19: Molaflex da Feira suspende produção até abril. BE fala em 150 despedidos

  • Lusa
  • 25 Março 2020

A Molaflex decidiu suspender a produção até 19 de abril,, justificando falta de matéria-prima. BE acusa a empresa de "má fé" por aproveitar lay-off para despedir 150 trabalhadores.

A Molaflex Colchões S.A., instalada em Santa Maria da Feira, suspendeu a produção até 19 de abril, alegando falta de matéria-prima, mas o BE disse esta quarta-feira que o lay-off também integra o “despedimento de 150 trabalhadores”.

Em documento a que a Lusa teve acesso, a direção dessa unidade industrial do distrito de Aveiro afirma que “a empresa encontra-se numa situação de crise empresarial determinada pela paragem total da sua atividade em resultado da interrupção das cadeias de abastecimento globais, o que impede o fornecimento e funcionamento da fábrica e, consequentemente, de toda a estrutura comercial e produtiva da Molaflex”.

A situação é agravada pelo facto de muitos dos trabalhadores da empresa residirem em Ovar e estarem ausentes do emprego devido à obrigatoriedade de permanecerem no domicílio durante a vigência do estado de calamidade pública decretado nesse concelho, devido à pandemia da covid-19.

Acresce ainda que os principais clientes da Molaflex “deixaram já de laborar, sendo expectável que os restantes clientes deixem de trabalhar num curtíssimo espaço de tempo”. Por tudo isso, diz o documento, a “Molaflex vê-se na necessidade imperiosa de suspender a sua atividade”.

A direção da empresa diz que, “quer pela quebra no fornecimento de matérias necessárias e imprescindíveis ao fabrico, quer pela suspensão da atividade dos clientes, implicando cancelamento das encomendas, não se encontram reunidas condições para continuar a trabalhar”.

O documento acrescenta que a medida vigorará até 19 de abril, prazo “eventualmente prorrogável”, e adianta que irá requerer às autoridades “o apoio extraordinário à manutenção dos postos de trabalho”, o que consistirá na atribuição à empresa de “um apoio financeiro por trabalhador, destinado exclusivamente ao pagamento de remunerações”.

Sobre o mesmo tema, a coordenação distrital de Aveiro do BE disse esta quarta-feira que a empresa está a usar de má-fé, aproveitando o argumento da falta de matéria-prima e outros para fazer um despedimento coletivo entre os seus 350 funcionários.

Chegou ao conhecimento do BE que a Molaflex Colchões S.A. despediu 150 trabalhadores de empresas de trabalho temporário“, afirma fonte do partido.

Para o BE, isso é “uma clara violação da legislação existente, já que algumas destas pessoas trabalhavam na empresa há cerca de sete a oito anos, sempre através de empresas de recrutamento, quando, na realidade, ocupavam postos de trabalho permanentes”.

O partido nota igualmente que, “ainda durante a passada semana, a empresa quis obrigar todos os trabalhadores a irem de férias, mas eles recusaram”.

O partido defende, por isso, que a situação “revela uma clara má-fé por parte da Molaflex, que ao longo dos últimos anos tem tido milhões de euros de lucro e ainda recebeu uma série de apoios da União Europeia, do Estado Português e da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira”.

A Lusa procurou contactar a Molaflex da Feira e também a de São João da Madeira, mas nenhuma unidade atendeu os telefonemas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Molaflex da Feira suspende produção até abril. BE fala em 150 despedidos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião