EUA pedem à Arábia Saudita para acalmar mercado petrolífero

  • Lusa
  • 25 Março 2020

Durante uma conversa com o príncipe herdeiro saudita Mohamed bin Salman, o secretário de Estado Mike Pompeo disse que Riade tem uma “oportunidade real de se mostrar à altura dos desafios”.

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, pediu esta quarta-feira à Arábia Saudita, o principal exportador mundial de petróleo, para “tranquilizar os mercados de energia”, perante a iminente crise económica provocada pela pandemia de Covid-19.

Durante uma conversa com o príncipe herdeiro saudita Mohamed bin Salman, na terça-feira, Pompeo disse que Riade, que este ano preside ao grupo dos 20 países mais ricos e emergentes (G20), tem uma “oportunidade real de se mostrar à altura dos desafios”, neste momento de crise.

Concordamos que todos os países devem trabalhar juntos para combater a pandemia e estabilizar os mercados financeiros e de energia”, disse o secretário de Estado norte-americano, na sua conta da rede social Twitter, comentando a conversa com Mohamed bin Salman.

Os preços do petróleo caíram vertiginosamente nas últimas semanas, perante o cenário de crise pandémica e pela guerra comercial entre a Arábia Saudita e a Rússia. A Arábia Saudita vai conduzir, quinta-feira, uma cimeira virtual dos líderes do G20, para abordar a crise global provocada pela pandemia covid-19.

O Presidente dos EUA, Donald Trump, saudou a queda de preços dos combustíveis para os consumidores, mas não escondeu a preocupação com o futuro dos produtores norte-americanos de petróleo.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 428 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 19.000.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia. Vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

Preços do petróleo afundam nos mercados internacionais

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EUA pedem à Arábia Saudita para acalmar mercado petrolífero

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião