Governo decreta estado de calamidade em Ovar. Só exceções podem entrar ou sair

Há 30 casos, confirmados esta terça-feira, de Covid-19 no município, mais do dobro do que na segunda-feira. Autarquia e Direção Geral de Saúde decidiram colocar Ovar em quarentena geográfica.

O Governo está a preparar-se para declarar estado de calamidade no município de Ovar devido à disseminação de Covid-19. O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, confirmou esta terça-feira, em conferência de imprensa o que autarca do município, Salvador Malheiro, já tinha anunciado no Facebook.

O despacho, já assinado pelo primeiro-ministro António Costa e com entrada em vigor imediata, “significa essencialmente a criação de uma situação de cerca sanitária aplicável a todo o município, o estabelecimento de uma série de restrições à atividade económica e à circulação de pessoas dentro do município”, explica Eduardo Cabrita.

Apenas pessoas ligadas à saúde ou segurança tal como residentes a regressarem à sua residência habitual, poderão movimentar-se dentro e fora do município. Para todos os outros, fica vedada a entrada ou saída. “Par dar um exemplo, a linha do Norte que atravessa o município de Ovar continuará a operar, mas nas estações situadas nesse município não haverá entrada nem saída de passageiros”, refere o governante. “Ficam igualmente interditas todas as atividades comerciais ou industriais, exceto as que sejam relativas ao setor alimentar”.

O autarca social-democrata Salvador Malheiro tinha feito já vários alertas públicos sobre o contágio de Covid-19 na região e apelado aos munícipes que cancelassem tudo e ficassem em casa. “O número de casos confirmados em Ovar mais que duplicou [entre segunda e terça-feira]. Temos hoje mais de 30 casos. Perante tudo isto, em articulação com a DGS [Direção Geral de Saúde], o Município de Ovar vai entrar em Quarentena Geográfica. Todo o nosso perímetro vai ser isolado“, escreveu Salvador Malheiro na rede social, esta terça-feira, numa altura em que há 448 doenças por todo o país.

O presidente da Câmara Municipal vai propor ainda esta terça-feira à Comissão Municipal de Proteção Civil o acionamento do Plano Municipal de Proteção Civil de Ovar, bem como a operacionalização do “gabinete de crise” do município. “Por favor, fiquem em casa e encerrem as vossas instalações”, pediu o autarca, acrescentando que há 263 entidades que decidiram encerrar instalações.

Portugal está em estado de alerta, desde sexta-feira, devido ao surto do novo coronavírus. Com o evoluir da situação, existe a hipótese de ser declarado o estado de emergência, algo que compete ao Presidente da República. Marcelo Rebelo de Sousa poderá anunciar esse estado — que limita direitos, liberdades e garantias dos cidadãos — esta quarta-feira, depois da reunião do Conselho de Estado.

(Notícia atualizada às 18h00)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo decreta estado de calamidade em Ovar. Só exceções podem entrar ou sair

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião