Esquerda exige que apoio para pais se mantenha durante a Páscoa

Ao contrário do foi determinado pelo Governo, o PCP e o Bloco de Esquerda querem que os pais recebam apoios para ficarem com os filhos também durante as férias da Páscoa.

A partir da próxima segunda-feira, os trabalhadores que tenham de ficar em casa com os filhos já não vão receber a fatia de 66% do seu salário que tinha sido garantida a esses pais desde o fecho das escolas. Isto porque o Governo determinou que esse apoio não abrangerá as férias da Páscoa, uma opção que tanto o Bloco de Esquerda como o PCP querem ser revertida. Para estes partidos, é necessário assegurar aos pais os rendimentos também durante este período, mas o Executivo de António Costa tem recusado fazê-lo.

“Tratando-se de um regime que abrange as crianças até aos 12 anos, é urgente que o Governo estenda a sua aplicação durante as férias da Páscoa a todas as crianças abrangidas“, salienta o PCP, num documento enviado esta quarta-feira à ministra do Trabalho e da Segurança Social.

O Bloco de Esquerda também já tinha defendido esse alargamento, nomeadamente no projeto de resolução apresentado esta quarta-feira na Assembleia da República que defende que deverá ser garantida “a justificação das faltas dos trabalhadores motivadas por assistência a filhos ou dependentes menores durante os períodos de interrupção letiva, bem como o consequente apoio excecional à família para trabalhadores por conta de outrem ou independentes”.

Questionado sobre esta matéria durante o debate quinzenal de terça-feira, o primeiro-ministro sublinhou que, no caso dos pais com crianças que frequentem creches (estabelecimentos que, em circunstâncias normais, não fechariam as portas durante a Páscoa), o apoio será mantido. “Mas não vamos manter [o apoio] relativamente à situação que era previsível”, atirou António Costa, referindo-se às férias escolares marcadas para o período de 27 a 13 de abril.

“Temos de ter em conta que, provavelmente, no dia 9 de abril a decisão que estaremos a tomar é de prolongar essa situação e esta medida [o apoio aos pais] muito além das férias da Páscoa”, acrescentou, na ocasião, o chefe de Executivo. Ou seja, durante as férias o apoio será suspenso, mas se o fecho das escolas for prolongado, esse pagamento de dois terços do salário voltará a ser assegurado pela Segurança Social.

Em causa está um apoio que garante dois terços do salário aos trabalhadores que tenham de ficar em casa com os filhos até 12 anos face ao encerramento das escolas decretado perante a pandemia de coronavírus. O valor é pago em 33% pela Segurança Social e em 33% pelo patrão.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Esquerda exige que apoio para pais se mantenha durante a Páscoa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião