Estímulos orçamentais puxam pelas bolsas europeias. Lisboa ganha 4%

As principais praças europeias mantêm a tendência de ganhos da última sessão, assim como a bolsa portuguesa. Investidores aplaudem estímulos orçamentais.

Os estímulos orçamentais para responder ao surto de coronavírus estão a dar confiança aos investidores na Europa. As principais praças europeias seguem em forte alta pela segunda sessão consecutiva, com o português PSI-20 a ganhar 405% para 4.038,930 pontos.

Este é o valor mais elevado em duas semanas do índice, que não negociava acima dos 4 mil pontos desde 11 de março. Entre as cotadas que mais sobem estão as do setor do papel e pasta de papel: a Altri avança 8,1%, a Navigator 3,51% e a Semapa 5,17%.

Na energia, a EDP sobe 4,35%, a EDP Renováveis valoriza 2,82% e a Galp Energia dispara 4,05%. A REN — que irá apresentar resultados esta quarta-feira — soma 6,3%. O BCP sobe 4,83% e a Jerónimo Martins avança 1,3%.

Os fortes ganhos generalizados nas ações estão a ser suportados pelo acordo conseguido nos EUA. Os líderes do Senado norte-americano e a Administração de Donald Trump deram luz verde a um mega pacote de estímulos orçamentais para responder ao surto de Covid-19. São 2 biliões de dólares (equivalente a 1,85 biliões de euros) para ajudar relançar a maior economia mundial.

Do lado da Europa, que continua a ser o foco da pandemia, o Eurogrupo não chegou a um entendimento em relação às coronabonds, mas Mário Centeno garantiu que nenhuma solução foi posta de lado. “Há amplo apoio para considerar uma salvaguarda de suporte a crises pandémicas com base num instrumento de precaução existente no ESM como uma linha de crédito com condições reforçadas (ECCL, sigla em inglês)”, frisou.

As várias iniciativas que se multiplicam causaram na terça-feira um forte rally, que se prolonga nesta sessão. Após o disparo de 8% da bolsa de Tóquio e de 2% de Xangai, a Europa segue em alta. O índice Stoxx 600 ganha 3%, o alemão DAX sobe 2,64%, o francês CAC 40 avança 2,6% e o espanhol IBEX 35 soma 2,85%.

(Notícia atualizada com cotações às 10h00)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estímulos orçamentais puxam pelas bolsas europeias. Lisboa ganha 4%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião