Se houver Coronabonds, “bazuca” do BCE pode comprá-las

Ministros das Finanças da Zona Euro ainda não discutiram a possibilidade de emitir dívida conjunta para os países da moeda única. No entanto, poderão fazê-lo numa das reuniões semanais que terão.

A pandemia de Covid-19 fez renascer a polémica ideia de os países da Zona Euro emitem, em conjunto, dívida pública. Caso as Eurobondsque pela primeira vez foram vistas como uma hipótese para a Alemanhavenham a ser uma realidade, poderão ser incluídas no pacote de emergência anunciado pelo Banco Central Europeu (BCE).

“É razoável assumir que estas obrigações seriam elegíveis já que, por exemplo, obrigações emitidas pelo Mecanismo Europeu de Estabilidade, pelo Fundo Europeu de Estabilização Financeira ou pelo Banco Europeu de Investimento são elegíveis para aquisições em mercado secundário”, explica fonte próxima ao ECO.

Após uma reunião de emergência por causa do surto de coronavírus, o BCE lançou, esta quarta-feira, um programa de compra de ativos públicos e privados no valor de 750 mil milhões de euros. Mas “ainda é cedo” para pensar na possibilidade de a instituição liderada por Christine Lagarde vir a comprar Coronabonds (Eurobonds específicas para responder à pandemia), segundo a mesma fonte. É que, apesar de a questão ter renascido em força, nada é certo.

As Eurobonds voltaram a estar em cima da mesa na reunião do Conselho Europeu extraordinário, realizado na terça-feira por videoconferência. Segundo a Bloomberg, o tema foi lançado pelo italiano Giuseppe Conte, primeiro-ministro daquele que está a ser o país mais fustigado pela pandemia do Covid-19. Aos jornalistas, a chancelar alemã Angela Merkel mostrou abertura para a hipótese, que durante a crise da dívida soberana tinha sido vista como uma linha vermelha pela Alemanha.

Merkel solicitou ao ministro das Finanças alemão que analise a situação para que a Alemanha possa fazer parte desta potencial operação de emissão de dívida de vários países do euro. E remeteu o tema para a “reunião dos ministros das finanças”.

Questionado pelo ECO sobre se a ideia está a ser estudada, fonte oficial do Eurogrupo clarificou que “o tema das Eurobonds não foi abordado na comunicação [que se seguiu à última reunião do grupo] nem foi discutido pelos ministros das Finanças“. Sublinhou, ainda assim, que o presidente do Eurogrupo Mário Centeno garantiu que “todas as instituições vão participar no esforço coletivo para combater o vírus” e lembrou que o grupo irá reunir-se, pelo menos, uma vez por semana pelo que a hipótese poderá estar proximamente em cima da mesa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Se houver Coronabonds, “bazuca” do BCE pode comprá-las

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião