Wall Street dispara com pacote de estímulos nos EUA. Bolsas sobem mais de 5%

Os estímulos ficais de 2,5 biliões de dólares tiram Wall Street da maré vermelha, dando alguma confiança aos investidores quanto ao impacto do novo coronavírus na maior economia do mundo.

Com a economia norte-americana a travar a fundo devido ao surto do novo coronavírus, os estímulos fiscais do Senado salvam esta terça-feira as praças norte-americanas da maré vermelha, fazendo disparar Wall Street.

O índice de referência S&P 500 está a somar 5,19% para 2.352,75 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq valoriza 5,02% para 7.205,16 pontos. O industrial Dow Jones segue pelo mesmo caminho ao avançar 5,84% para 19.678,26 pontos.

Seguindo a tendência que se verifica na Europa, os mercados norte-americanos parecem depositar esperança nos estímulos fiscais de 2,5 biliões de dólares numa tentativa de salvar as negociações no Senado após o plano inicial não ter sido aprovado esta segunda-feira. Também Reserva Federal retirou os limites para comprar dívida pública e privada do país.

“O estímulo fiscal é absolutamente necessário porque afeta diretamente o consumidor. Os gastos do consumidor e a confiança do consumidor é o que está impulsionar a economia dos EUA”, aponta Nancy Perez, manager de carteiras da Boston Private Wealth, em Miami, citada pela Reuters (acesso livre, conteúdo em inglês).

Na segunda-feira, o Presidente dos Estados Unidos disse que a economia norte-americana não ficará interrompida durante muito tempo, garantindo que o país não foi construído para ser bloqueado. Donald Trump afirmou ainda que os EUA não podem deixar que a cura para o coronavírus seja pior que a doença.

Ainda assim, há investidores que não concordam com a abordagem. “Os mercados reagirão mal porque aprenderam que essa abordagem não funciona”, disse Axel Merk, diretor de investimentos da Merk Investments, citado pela Reuters (acesso livre, conteúdo em inglês). “Do ponto de vista médico, precisamos de interromper o crescimento exponencial e isso faz-se com políticas de apoio”, assinala.

Entre as empresas que registam as maiores subidas estão as companhias do setor da aviação, depois de os democratas terem apresentado uma proposta na Câmara dos Representantes por forma a conceder um apoio de cerca de 40 mil milhões de dólares para este setor. A título de exemplo, a American Airlines soma 16,25% para 11,96 dólares, já a United Airlines valoriza 19,39% para 31,34 dólares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street dispara com pacote de estímulos nos EUA. Bolsas sobem mais de 5%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião