Facebook regista “explosão” na utilização mas receitas publicitárias diminuem

  • Lusa
  • 25 Março 2020

Apesar da "explosão" na utilização da rede social, aumento de participação no Facebook não se está a transformar num aumento de receitas.

O Facebook está a registar um aumento da atividade devido ao confinamento e isolamento de centenas de milhares de pessoas devido à pandemia do novo coronavírus, mas, em contrapartida, as receitas publicitárias diminuíram, informou a rede social na terça-feira.

“Em muitos países severamente afetados pelo vírus, o volume de mensagens trocadas mais que duplicou em um mês“, revelaram Alex Schultz e Jay Parikh, vice-presidentes do grupo, em comunicado.

Segundo os mesmos responsáveis da empresa, a “explosão” das utilizações digitais atinge também as chamadas (áudio e vídeo) via WhatsApp e Messenger.

Por exemplo, na Itália, onde a pandemia foi mais intensa na Europa, “o tempo gasto em ligações em grupo (com três ou mais participantes) aumentou 1.000% no último mês”.

Essa tendência vai continuar, já que vários outros países europeus, americanos e africanos estão a seguir políticas de contenção e isolamento dos cidadãos.

Desta forma, mais de 2,6 mil milhões de pessoas em todo o mundo foram aconselhadas a ficar em casa.

Para a rede Facebook, o aumento de participação na rede online não se transforma num aumento de receitas, uma vez que, explicou, não se obtém lucro com “serviços em que os utilizadores usam mais do que o habitual”.

“Vemos a nossa atividade publicitária a enfraquecer em países que tomaram medidas drásticas para reduzir a propagação da covid-19”, alegaram Schultz e Parikh

Sem aludirem à crescente pressão sobre os servidores desta rede global e das suas equipas, os responsáveis da Facebook indicaram, contudo, que engenheiros e programadores trabalham em casa para garantir que as aplicações da gigante da tecnologia permaneçam “rápida e confiáveis”.

Tal como a Netflix ou o YouTube, a plataforma Facebook optou por reduzir temporariamente a taxa de bits de vídeos no Facebook e Instagram em determinadas regiões.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia de Covid-19, já infetou mais de 400 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram cerca de 18.000.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 6.820 mortos em 69.176 casos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Facebook regista “explosão” na utilização mas receitas publicitárias diminuem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião