Covid-19: Governo britânico vai pagar 80% do rendimento mensal aos trabalhadores por conta própria

  • Lusa
  • 26 Março 2020

O Governo britânico compromete-se a pagar 80% do rendimento médio mensal dos últimos três anos até 2.500 libras dos trabalhadores por conta própria com rendimentos anuais até 50 mil libras.

O Governo britânico alargou aos trabalhadores por conta própria a garantia de pagamento de 80% do rendimento médio mensal, tal como tinha feito aos assalariados em risco de serem despedidos devido à crise provocada pela pandemia covid-19.

O esquema foi revelado esta quinta-feira pelo ministro das Finanças, Rishi Sunak, que estava sob pressão da oposição e numerosas organizações devido ao impacto que a crise está a ter em profissões como artistas, eletricistas, cabeleireiros, amas ou taxistas.

O Governo compromete-se a pagar 80% do rendimento médio mensal dos últimos três anos até 2.500 libras (2.750 euros) dos trabalhadores por conta própria com rendimentos anuais até 50 mil libras (55 mil euros), devendo os primeiros pagamentos ser feitos apenas em junho.

Até agora, o Governo tinha oferecido apenas o acesso ao subsídio de subsistência a estes profissionais, que poderia ir até cerca de mil libras por mês (1.100 euros), um valor considerado inferior ao rendimento habitual da maioria.

Não vos esquecemos”, disse Sunak, que reconheceu como nos últimos dez dias a economia foi abalada “como nunca aconteceu antes”.

Para responder à crise económica causada pela pandemia, o Governo já tinha oferecido a garantia de reembolsar patrões em 80% dos salários até 2.500 libras para não despedirem os empregados, adiou o pagamento de impostos e ofereceu benefícios fiscais e linhas de crédito e de financiamento às empresas, aumentou os apoios sociais, negociou com os bancos a moratória de empréstimos bancários e auxílio para locatários.

“Não seremos capazes de proteger todos os empregos e todas as empresas, mas penso que as medidas que introduzimos vão ajudar milhões de pessoas”, afirmou.

No balanço publicado esta quinta-feira indicou a existência de 11.658 casos positivos entre 104.866 pessoas testadas à covid-19, tendo 578 dos infetados morrido, mais 115 do que os 463 óbitos declarados na véspera.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Governo britânico vai pagar 80% do rendimento mensal aos trabalhadores por conta própria

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião