Vem aí um teste ao Covid-19 que demora apenas 10 minutos. Custa menos de um dólar

  • ECO
  • 26 Março 2020

Um instituto de pesquisa senegalês e uma empresa britânica estão a ultimar um kit de rastreio ao coronavírus que pode ser feito em casa, em cerca de dez minutos, e custa menos de um dólar.

À medida que vão aumentando os casos de coronavírus, urge a necessidade de fazer mais testes para perceber quem está ou não está infetado pelo Covid-19. Procurando responder à falta de testes disponíveis no mercado, um instituto de pesquisa do Senegal, DiaTropix, e a britânica Mologic, estão a desenvolver um kit de rastreio que pode ser feito em casa em dez minutos e é extremamente barato. Embora esteja a ser pensado para todo o mundo, a ideia é detetar casos em África.

É um kit de bolso e funciona como um teste de gravidez, diz o Financial Times (acesso condicionado, conteúdo em inglês). É composto por um teste que pode ser feito com saliva e outro que analisa os anticorpos no sangue. O resultado aparece em cerca de 10 minutos através de uma linha, se o teste der positivo para o coronavírus. O custo? Menos de um dólar (92 cêntimos).

Estamos a tentar fazer que com que [este kit] não seja uma oportunidade comercial. O teste será disponibilizado ao mesmo custo de produtos para locais com baixos rendimentos”, diz Joe Fitchett, diretor-médico da Mologic, citado pelo FT.

Apesar de o objetivo ser difundir o teste por todo o mundo, há um especial foco nos países africanos. Embora se registem apenas cerca de 2.400 casos em todo o continente, os especialistas acreditam que, devido aos fracos sistemas de saúde de lá, os países africanos podem vir a ser extremamente afetados.

O instituto senegalês DiaTropix é afiliado do Instituto Pasteur de Dakar, que criou uma das primeiras vacinas contra a febre-amarela. Com esta parceria, os dois institutos têm capacidade para produzir oito milhões de testes por ano. Este novo kit passará por um processo de validação esta quinta-feira e deverá ser lançado no mercado em junho.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vem aí um teste ao Covid-19 que demora apenas 10 minutos. Custa menos de um dólar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião