Rui Rio questiona empresas que vão pagar dividendos: “Estarão a lucrar com a crise?”

  • ECO
  • 27 Março 2020

Líder dos sociais-democratas deixa uma crítica implícita às empresas que vão pagar dividendos aos acionistas. Diz que os tempos de crise que se avizinham aconselham a uma estratégia mais prudente.

Rui Rio questiona as empresas que vão distribuir dividendos pelos acionistas, numa altura em que a economia apresenta sérias dificuldades provocadas pela pandemia do Covid-19. “Estarão as empresas a lucrar à custa da crise?”, interrogou o presidente do PSD no Twitter.

“Parece que há empresas que querem distribuir dividendos relativos a lucros de 2019”, comentou Rui Rio num tweet publicado esta sexta-feira. Isto para depois questionar se é uma estratégia razoável face ao atual ambiente de incerteza na economia devido à propagação do vírus.

Estarão tão capitalizadas que aguentam um encontrão, cuja dimensão desconhecem? Estarão a ter lucros à custa da crise? Será ganância do acionista? Ou irão depois pedir acesso a crédito bonificado?“, questionou o líder social-democrata.

Está a chegar a época dos dividendos na bolsa portuguesa. Várias empresas já anunciaram que vão remunerar os acionistas com base nos lucros registados em 2018. Por exemplo, esta quinta-feira, a EDP Renováveis aprovou em assembleia-geral um dividendo de oito cêntimos.

Há vários outros casos no PSI-20, incluindo a Jerónimo Martins vai pagar um dividendo de 34,5 euros por ação e a REN, que anunciou esta terça-feira dividendos de 17,1 cêntimos, ou a EDP, que tem em cima da mesa uma proposta para pagar aos acionistas 19 cêntimos por ação.

Também há quem já tenha congelado a remuneração acionista para se proteger da crise que se avizinha: esta quinta-feira o BCP decidiu cancelar o pagamento de dividendos para reforçar o capital do banco. A instituição liderada por Miguel Maya manteve a compensação aos trabalhadores, a quem vai pagar até 1.000 euros, pelos cortes salariais entre 2014 e 2017.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rui Rio questiona empresas que vão pagar dividendos: “Estarão a lucrar com a crise?”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião