Covid-19 faz mais 969 mortes em Itália. Há 86.498 infetados

Nas últimas 24 horas, as autoridades de saúde italianas registaram 969 mortes por Covid-19, o valor mais alto desde que o surto foi detetado no país.

As autoridades de saúde italianas registaram 969 óbitos por Covid-19 nas últimas 24 horas, sendo que 50 destes dizem respeito ao período anterior, mas não tinham sido contabilizados. É o valor mais elevado desde que o surto foi detetado no país. O número de casos confirmados da doença totalizou os 86.498.

Depois de dois dias de abrandamento no registo de vítimas mortais, Itália voltou a ter um aumento significativo. Nas últimas 24 horas, foram declarados 969 novos óbitos associados ao novo coronavírus, o valor mais elevado desde que foi detetado o surto no país, a 21 de fevereiro, informou a Agência de Proteção Civil Italiana, de acordo com a Ansa (acesso livre, conteúdo em italiano). No total, já 9.134 pessoas morreram em Itália vitimas da pandemia.

Ao mesmo tempo, o número de novos casos detetados diminuiu, depois de no dia anterior ter interrompido as quedas que se verificavam há quatro dias. Nas últimas 24 horas, as autoridades de saúde italianas descobriram 4.401 novos casos de infeção por Covid-19, em comparação com as anteriores 4.492. Em termos globais, em Itália, há registo de 86.498 casos confirmados desde que o surto foi detetado no país, ultrapassando assim o número de casos na China, tal como aconteceu na quinta-feira com os Estados Unidos, o país onde foram encontradas mais pessoas infetadas até ao momento.

Das pessoas originalmente infetadas em Itália, 10.950 já recuperaram da doença, ou seja, mais 589 do que no balanço anterior. Há ainda 3.732 pessoas nos cuidados intensivos, contra as anteriores 3.612. No que toca à região da Lombardia, aquela que é considerada a situação mais preocupante no país, foram registados 2.534 casos nas últimas 24 horas, elevando o total para 34.889. Há ainda registo de 4.861 mortes na região.

Segundo o último balanço da AFP, quase 25 mil pessoas morreram em todo o mundo por Covid-19, sendo que há já 539.360 infetados. Em Portugal, há 4.268 casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus, sendo que o número de mortes subiu esta sexta-feira para 76.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19 faz mais 969 mortes em Itália. Há 86.498 infetados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião