Casos de Covid-19 sobem para 4.268. Já morreram 76 pessoas

O número de casos conhecidos de infeção pelo novo coronavírus aumentou para 4.268 em Portugal. A doença já fez 76 vítimas mortais no país.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) descobriu 724 novos casos de Covid-19 em Portugal, elevando de 3.544 para 4.268 o número de pessoas que testaram positivo para o novo coronavírus. Até à meia-noite, foram ainda registados 16 novos óbitos, o que faz subir de 60 para 76 o número de vítimas mortais causadas pela doença.

Esta evolução no número de casos conhecidos representa um crescimento de 20% face aos dados divulgados na quinta-feira. A maioria observa-se na região Norte do país, onde há pelo menos 2.443 infetados, seguindo-se a região de Lisboa e Vale do Tejo, com pelo menos 1.110 pessoas infetadas, e a região Centro, com 520 casos confirmados.

Somente 425 pessoas estão em internamento, 71 delas em cuidados intensivos, o que significa que mais de 90% das pessoas infetadas estão a ser medicamente seguidas nos respetivos domicílios. Uma informação em linha com o plano de combate à epidemia desenhado pela DGS.

Quanto ao total de óbitos já registados, estes deram-se principalmente no Norte (33) e na região de Lisboa (24). Os dados mostram ainda que 43 pessoas já recuperaram da doença, sobretudo em Lisboa (17), no Norte (16) e no Centro (10).

Boletim epidemiológico de 27 de março de 2020

Fonte: Direção-Geral da Saúde

Do total de casos registados em território nacional, 330 foram “importados” de outros países. A maioria foram pessoas que entraram no país vindas de Espanha (105), França (72) e Reino Unido (27), seguindo-se a Suíça (22) e Itália (21).

Em linhas gerais, esta é a situação em Portugal 25 dias depois de registados os primeiros dois casos de infeção pelo novo coronavírus no país, uma estirpe cuja origem é atribuída a um mercado que vende animais vivos em Whuan, na província chinesa de Hubei. Portugal ultrapassa, assim, a fasquia dos 4.000 casos, numa altura em que, na China, a sociedade e as empresas regressam lentamente ao normal, após meses de quarentena e isolamento.

O número de casos confirmados representa, assim, o número de pessoas que já foram testadas para esta nova estirpe e cujos resultados foram positivos para a presença de vírus no trato respiratório, não refletindo, necessariamente, o número de casos reais que efetivamente existem no país. Por isso, as autoridades têm recomendado à população que permaneça em casa para travar o avançar do surto, sendo que pessoas infetadas e pessoas sob vigilância estão, por lei, obrigadas ao isolamento.

São já 19.816 pessoas em vigilância das autoridades, por terem estado em contacto com pessoas infetadas, segundo os últimos dados da DGS. Há, por fim, registo de 25.431 casos suspeitos desde 1 de janeiro deste ano, 17.168 casos não confirmados e 3.995 pessoas aguardam o resultado laboratorial.

Milhares de médicos reformados vão reforçar SNS

Na conferência de imprensa diária sobre a pandemia, o secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, indicou que 4.500 médicos “responderam ao apelo da Ordem dos Médicos para reforçarem o Serviço Nacional de Saúde [SNS] durante a pandemia de Covid-19”. “Muitos vindos do conforto das suas reforças”, salientou.

O governante indicou ainda que “chegaram hoje [sexta-feira] 4,6 milhões de máscaras cirúrgicas e outros equipamentos de proteção”. Lacerda Sales garantiu que estes artigos “rapidamente chegarão aos profissionais de saúde”.

O secretário de Estado da Saúde recordou ainda que “os idosos são a população mais exposta à letalidade deste vírus”. “Os números são claros: a taxa de mortalidade é de 1,7% em Portugal e mais de 80% dos obtidos ocorrem em pessoas com mais de 70 anos. Quanto mais diminuirmos os focos de infeção, mais estamos a proteger a população mais vulnerável”, salientou.

Dito isto, num apelo à população em geral, Lacerda Sales rematou: “A nossa maior arma continua a ser o isolamento social”.

Consulte aqui o boletim epidemiológico na íntegra:

(Notícia atualizada pela última vez às 13h08)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Casos de Covid-19 sobem para 4.268. Já morreram 76 pessoas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião