Quais são os setores mais afetados pelo coronavírus?

A EY Portugal avaliou o impacto que os diversos setores de atividade podem vir a sentir com a pandemia do Covid-19. De todos os setores, o turismo é o mais afetado.

A consultora EY Portugal avaliou o impacto que a pandemia do Covid-19 poderá ter nos diferentes setores de atividade nacionais. A atual conjuntura “está a afetar radicalmente os mercados e as atividades económicas, mas de formas e intensidades muito distintas”, escrevem os autores Paulo Madruga (Associate Partner na EY-Parthenon), Hermano Rodrigues (Principal na EY-Parthenon) e Rui Ferreira (Consultant na EY-Parthenon).

A EY começa por contextualizar as atuais dificuldades que vários setores estão a enfrentar atualmente, como é o caso do turismo, que está a sofrer “um impacto negativo tremendo, em particular no período de isolamento social em curso”, ou das atividades assentes essencialmente na exportação (têxtil e automóvel) que “também estão a ser fortemente penalizadas pela interrupção dos abastecimentos, pelo encerramento de fábricas e pela contração da procura”.

No entanto, também “os cuidados de saúde, a logística e o retalho alimentar, alguma indústria química e farmacêutica e parte dos serviços de telecomunicações, de IT e de entretenimento remotos correm o risco de colapsar por dificuldades de adaptação rápida às solicitações da procura”, explica a EY.

Para avaliar o impacto concreto e detalhado da pandemia nos vários setores de atividade, a consultora fez duas simulações distintas:

  1. No primeiro caso, foi feita uma simulação de uma quebra generalizada e uniforme da procura final dirigida a todas as atividades económicas desenvolvidas no país;
  2. No segundo caso, foi realizada uma simulação de uma quebra acentuada na procura final focada apenas nas atividades turísticas.

Primeira simulação

Nesta simulação da quebra da procura nas atividades económicas desenvolvidas no país, foi possível concluir que “devido às relações existentes intra e inter cadeias de valor” houve um efeito diferenciado entre os diversos setores de atividade, com impacto especialmente intenso nas seguintes atividades:

  • Setor da energia, água e resíduos;
  • Setor dos serviços empresariais;
  • Setor do turismo e restauração;
  • Setor da engenharia, construção e imobiliário;
  • Setor do Comércio;
  • Setor de serviços financeiros e seguros;
  • Setor das indústrias agroalimentares.

Segunda simulação

Neste segundo caso que se focou apenas na queda da procura das atividades turísticas, chegou-se à conclusão que o enfraquecimento deste setor levou a uma quebra significativa em outras atividades económicas. Um resultado que é explicado pelas “relações intersectoriais da economia portuguesa que provocam igualmente uma quebra relevante” em outros setores da economia. As atividades mais afetadas foram estas:

  • Setor da energia, água e resíduos;
  • Setor das indústrias agroalimentares;
  • Setor de serviços empresariais.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quais são os setores mais afetados pelo coronavírus?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião