Avaliação das casas atinge novo máximo. Está nos 1.337 euros por metro quadrado

Valor a que os bancos estão a avaliar os imóveis para efeitos de concessão de crédito subiu para 1.337 euros, em fevereiro. Trata-se de um novo máximo de mais de uma década.

O valor que os bancos atribuem às casas para efeitos de concessão de crédito voltou a aumentar em fevereiro, atingindo um novo máximo. De acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE), o valor do metro quadrado subiu pelo 35.º mês consecutivo, fixando-se nos 1.337 euros, máximo de mais de uma década.

Entre janeiro e fevereiro foi registado um aumento de sete euros (0,5%) no valor da avaliação bancária, sendo que se a comparação for feita com fevereiro de 2019, verifica-se que a avaliação média das casas cresceu 7,9%, ou o equivalente a 98 euros.

O preço médio da avaliação bancária das casas fixado no segundo mês deste ano é o mais elevado do histórico do gabinete público de estatísticas, cujo início remonta a setembro de 2008.

Evolução da avaliação bancária no último ano

Fonte: INE

O contínuo aumento da avaliação bancária leva a que, por exemplo, um imóvel de 100 metros quadrados estivesse avaliado em 133,7 mil euros, em média, em fevereiro. Ou seja, 9.800 euros acima do valor que se registava no mesmo mês do ano passado.

Esta evolução pode, contudo, apresentar um comportamento diferente daqui em diante em resultado do impacto da pandemia do Covid-19 na economia portuguesa e em concreto no setor bancário e no mercado imobiliário. O próprio INE refere os efeitos que podem ocorrer nas suas estatísticas em resultado da pandemia. “A informação deste destaque não reflete ainda a situação atual determinada pela pandemia Covid-19. É de esperar que as tendências aqui analisadas se alterem substancialmente”, alerta o organismo no destaque publicado esta sexta-feira.

Algarve cai, mas mantém avaliações mais altas do país

Em fevereiro, a avaliação bancária das casas subiu em todas as regiões do país, à exceção do Alentejo e do Algarve, com a zona mais a sul a manter-se contudo com o valor mais elevado a nível nacional.

O preço do metro quadrado das casas no Algarve fixou-se nos 1.741 euros, -0,1% face a janeiro. No Alentejo, a quebra mensal da avaliação foi de 2%, para os 1.066 euros por metro quadrado. A maior subida face ao mês anterior registou-se na Região Autónoma da Madeira (1,3%), com o preço do metro quadrado a fixar-se nos 1.429 euros, o terceiro mais elevado do país. Já a Área Metropolitana de Lisboa manteve o estatuto da segunda região do país mais “cara”, com uma subida mensal de 0,5%, para os 1.659 euros.

Já em termos homólogos, todas as regiões do país apresentaram incrementos na avaliação bancária. A taxa de variação homóloga mais elevada para o conjunto das avaliações verificou-se no Norte e na Área Metropolitana de Lisboa (9,1%) e a menor foi registada no Alentejo (2,4%).

(Notícia atualizada às 11h34)

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Avaliação das casas atinge novo máximo. Está nos 1.337 euros por metro quadrado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião