Subida do preço das casas abrandou pela primeira vez em três anos. Aumentou 9,6% em 2019

No ano passado transacionaram-se 181.478 habitações, mais 1,6% do que em 2018, refere o INE. Em montante, estas transações ascenderam a 25,6 mil milhões de euros.

As casas ficaram mais caras no ano passado, com os preços a subirem 9,6% face a 2018, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). Contudo, este desempenho representa a primeira desaceleração nos últimos três anos. Naquele período houve 181.478 transações, o equivalente a uma subida de 1,6% face ao ano anterior, num total de 25,6 mil milhões de euros.

No ano passado, embora o Índice de Preços da Habitação (IPHab) tenha subido 9,6% face a 2018, mostrou uma subida menos acentuada do que a observada em 2018, ano em que os preços das casas tinham aumentado 10,3%. Isto representa o primeiro abrandamento anual do ritmo de crescimento dos preços dos imóveis nos últimos três anos, refere o INE.

“A trajetória de aumento dos preços continuou a ser extensível a ambas as categorias de habitações tendo sido mais pronunciada nas habitações existentes (10,1%) por comparação com as habitações novas (7,6%)“, lê-se na nota.

Evolução dos preços das casas | INE, 2019

Ainda no ano passado, transacionaram-se 181.478 habitações, “o registo mais elevado da série disponível”, que se inicia em 2013, diz o INE. Este número representa uma subida de 1,6% face a 2018, “a mais baixa taxa de variação desde 2013”. As habitações existentes continuaram a representar a maior parte das transações (85,3%).

Falando em valores, as mais de 181.000 transações imobiliárias feitas no ano passado totalizaram 25,6 mil milhões de euros, um aumento de 6,3% face ao período homólogo. Deste montante, 20,7 mil milhões corresponderam a vendas de habitações existentes e 4,9 mil milhões a habitações novas. Nos últimos cinco anos, refere o INE, o “valor das habitações transacionadas mais do que duplicou (105,1%)”.

De todas as transações realizadas no ano passado, 63% aconteceram na zona de Lisboa e no Norte. Contudo, diz o INE, pela primeira vez desde 2013 observou-se uma redução do peso relativo conjunto destas duas regiões. Em termos de crescimento, o Centro e o Alentejo foram as zonas que mais cresceram relativamente a quotas relativas regionais.

O INE nota que os números revelados esta segunda-feira “não refletem ainda a situação atual determinada pela pandemia do novo coronavírus“, sendo de esperar que “as tendências aqui analisadas se alterem substancialmente”.

(Notícia atualizada às 11h30 com mais informação)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Subida do preço das casas abrandou pela primeira vez em três anos. Aumentou 9,6% em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião