Boris Johnson está infetado com o novo coronavírus

O primeiro-ministro Boris Johnson está infetado com Covid-19. Diz que, agora, vai "liderar a resposta do governo [britânico] através de videoconferência".

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, está infetado com Covid-19. O anúncio foi feito pelo próprio na sua conta de Twitter.

“Nas últimas 24 horas, desenvolvi sintomas leves e testei positivo para coronavírus”, diz o primeiro-ministro da rede social. Deixa ainda uma mensagem a dizer que “vai continuar a liderar a resposta do governo através de videoconferência enquanto lutamos contra este vírus”, refere.

 

Depois de desvalorizar a pandemia do novo coronavírus, Boris Johnson endureceu as medidas e decretou o isolamento. O Reino Unido está de quarentena desde segunda-feira, durante o período de três semanas.

“Agora é a altura de todos pararem o contacto não essencial com outras pessoas e pararem todas as viagens desnecessárias. Precisamos que as pessoas comecem a trabalhar em casa, sempre que possível, e devem evitar bares, discotecas, teatros e outros locais sociais”, apelou o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson.

Boris Johnson lembrou à população que não haverá ventiladores ou camas suficientes se toda a população ficar doente ao mesmo tempo, numa altura em o Reino Unido já contabiliza 769 mortes e 14.579 casos confirmados, de acordo com os dados publicados esta sexta-feira pelo Ministério da Saúde.

Para além do primeiro-ministro britânico, o príncipe Carlos, de 71 anos e herdeiro da coroa britânica, também está infetado com o Covid-19.

Ministro da saúde britânico também está infetado

O ministro da Saúde britânico, Matt Hancock, confirmou esta sexta-feira também ter contraído a covid-19, horas depois de o primeiro-ministro, Boris Johnson, ter anunciado estar em isolamento por o teste ao vírus ter sido positivo.

“Tenho estado a trabalhar de casa nos últimos dois dias, porque todos os que puderem trabalhar a partir de casa, devem fazê-lo (…) Não tenham dúvida de que, graças às maravilhas das novas tecnologias, posso continuar em contacto com a minha equipa e liderar o combate ao coronavírus”, disse, através da rede social Twitter.

Maat Hancock, que esteve no parlamento britânico na quarta-feira, juntamente com o primeiro-ministro durante o debate semanal com os deputados, disse ter sentido sintomas ligeiros e foi aconselhado a fazer o teste, que acusou positivo.

(Notícia atualizada às 15h10 com mais informações da Lusa sobre contágio do ministro da saúde britânico)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Boris Johnson está infetado com o novo coronavírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião