BCP cancela dividendos e paga 5,3 milhões aos trabalhadores

Banco liderado por Miguel Maya ia pagar um dividendo "conservador" mas cancelou a remuneração acionista devido ao impacto do coronavírus. Vai compensar trabalhadores com 5,3 milhões de euros.

Tal como o ECO avançou em primeira mão, o BCP decidiu cancelar a remuneração aos acionistas, justificando a decisão com a recente crise provocada pelo surto do coronavírus no país. Apesar disto, o banco anunciou que vai compensar os trabalhadores com 5,3 milhões de euros pelos cortes salariais entre 2014 e 2017.

“Face aos potenciais impactos e à incerteza associada à situação de pandemia, e ainda que o banco integre o grupo de instituições financeiras sem limitações regulatórias específicas em matéria de distribuição de dividendos, o conselho de administração entendeu propor à assembleia geral anual a retenção dos resultados relativos ao exercício de 2019“, informou o banco em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

“Tal proposta visa garantir que o banco esteja mais preparado para fazer face ao presente contexto de incerteza, tendo o conselho de administração reiterado a determinação de,
uma vez ultrapassada a crise e na medida em que o banco e a economia nacional iniciem a sua recuperação, retomar a política de dividendos aprovada“, acrescenta o banco.

Desde modo, dos resultados retidos, a administração do banco vai propor que 14,9 milhões de euros sejam transferidos para reserva legal do banco, enquanto um mínimo 120 milhões sejam resultados transitados.

Em fevereiro, quando apresentou lucros de 302 milhões de euros relativos ao exercício de 2019, Miguel Maya revelou que a proposta de dividendo iria ser “muito conversadora” e de “prudência” face ao ambiente de incerteza que reinava na altura. Esse cenário agravou-se nas últimas semanas, com a pandemia do Covid-19 a fechar países e a colocar um travão sério na economia mundial, incluindo a portuguesa.

Trabalhadores com compensação de 5,3 milhões

Ainda que tenha cancelado a remuneração aos acionistas, o banco decidiu manter a compensação aos trabalhadores que entre junho de 2014 e junho de 2017, aceitaram uma redução temporária dos salários com o objetivo de viabilizar o processo de recuperação do banco.

Nesse sentido, vai pagar até 1.000 euros aos trabalhadores que não foram já integralmente compensados com os resultados distribuídos em 2019. O banco tem 5,28 milhões de euros para dar aos quadros.

As propostas vão ser colocadas à consideração dos acionistas na assembleia geral marcada para o dia 20 de maio.

(Notícia atualizada às 21h39)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCP cancela dividendos e paga 5,3 milhões aos trabalhadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião