Há mais de 600 mil casos confirmados de coronavírus no mundo. Mortes rondam as 28 mil

  • Lusa
  • 28 Março 2020

Há, pelo menos, 605.010 casos de infeção por coronavírus, dos quais resultaram 27.982 mortes, números detetados em 183 países e territórios.

Mais de 600.000 casos do novo coronavírus foram oficialmente declarados em todo o mundo desde o início da pandemia, estando confirmadas quase 28 mil mortes, segundo um levantamento feito hoje pela agência de notícias AFP de fontes oficiais.

Pelo menos 605.010 casos de infeção, dos quais resultaram 27.982 mortes, foram detetados em 183 países e territórios, em particular nos Estados Unidos (104.837 casos, dos quais 1.711 mortes), na Itália (86.498), o país mais atingido em número de mortes (9.134), e na China (81.394 casos, dos quais 3.295 mortos), o foco inicial do contágio.

No entanto, o número de casos diagnosticados reflete apenas uma fração do número real de infeções, com um grande número de países agora a testar apenas os casos que requerem atendimento hospitalar.

Europa ultrapassa barreira dos 20 mil mortos

A pandemia do novo coronavírus matou, até à data, mais de 20 mil pessoas na Europa, segundo um balanço da AFP, às 14h15 deste sábado, baseado em dados de fontes oficiais. Com um total de 20.059 mortes (em 337.632 casos de infeção), a Europa é a zona do mundo mais afetada pela pandemia de coronavírus.

Com 9.134 e 5.690 mortes, respetivamente, Itália e Espanha são os dois países mais afetados pela pandemia. Juntos, os dois países representam quase três quartos das mortes contabilizadas na Europa por causa do novo coronavírus.

Portugal regista este sábado 100 mortes associadas à Covid-19, mais 24 do que na sexta-feira, enquanto o número de infetados subiu 902, para um total de 5.170, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS).

(Notícia atualizada às 15h22 com balanço na Europa)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há mais de 600 mil casos confirmados de coronavírus no mundo. Mortes rondam as 28 mil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião