Perto de 1.400 empresas já pediram acesso ao lay-off simplificado

  • Lusa
  • 30 Março 2020

Segurança Social já recebeu mais de mil pedidos de empresas que pretendem aderir ao lay-off simplificado. Os primeiros pagamentos serão feitos dia 28 de abril.

A Segurança Social recebeu até esta segunda-feira cerca de 1.400 pedidos de empresas que pretendem aderir ao lay-off simplificado. Os primeiros pagamentos serão feitos em 28 de abril, disse a ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho.

“Ao dia de hoje [segunda-feira] temos 1.400 pedidos de empresas no âmbito desta medida de apoio à manutenção dos postos de trabalho”, afirmou a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social em declarações à RTP. “São dados do dia de hoje de processos que entraram na Segurança Social”, reforçou Ana Mendes Godinho.

Questionada sobre os prazos de pagamento do apoio às empresas que aderirem ao lay-off simplificado, a ministra disse que foram criados “mecanismos de automatização dos processos para que o pagamento seja o mais rápido possível e permitindo que o controlo seja feito a posteriori”. “O que temos previsto é o pagamento ser feito no dia 28 de abril”, adiantou a ministra do Trabalho.

Ana Mendes Godinho esclareceu ainda que os trabalhadores que serão abrangidos pelo lay-off simplificado irão descontar IRS sobre os dois terços do rendimento que irão receber. “O que está previsto é que exista uma tributação em sede de IRS em função do rendimento realmente auferido, é o que está preciso no próprio mecanismo de apoio”, disse Ana Mendes Godinho. O Jornal de Negócios avançou esta segunda-feira em manchete que esse é o entendimento da Autoridade Tributária e Aduaneira.

O lay-off simplificado entrou em vigor na sexta-feira e é uma das medidas excecionais aprovadas pelo Governo para manutenção dos postos de trabalho no âmbito da crise causada pela pandemia do Covid-19.

As empresas que aderirem podem suspender o contrato de trabalho ou reduzir o horário dos trabalhadores que, por sua vez, têm direito a receber dois terços da remuneração normal ilíquida, sendo 70% suportada pela Segurança Social e 30% pela empresa.

A remuneração tem como limite mínimo o salário mínimo nacional (635 euros) e como máximos três salários mínimos (1.905 euros). Além do IRS, os trabalhadores descontam ainda 11% para a Segurança Social.

(Notícia atualizada às 15h49)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Perto de 1.400 empresas já pediram acesso ao lay-off simplificado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião