Lay-off simplificado. Segurança Social espera começar a reembolsar empresas a partir de abril

O Governo diz esperar que, já a partir do início de abril, a Segurança Social esteja pronta para reembolsar aos patrões a parte dos salários garantida pelo Estado ao abrigo do novo lay-off.

O novo lay-off simplificado já entrou em vigor há uma semana, mas os patrões ainda não estão a conseguir aceder a este regime. De acordo com o secretário de Estado da Segurança Social, o formulário ainda está a ser “ultimado”, devendo ser disponibilizado em breve. À saída da reunião da Concertação Social desta segunda-feira, Gabriel Bastos adiantou, por outro lado, que os empregadores deverão começar a receber já a partir do próximo mês a parte da remuneração dos trabalhadores que, neste novo regime, passa a ser garantida pelo Estado.

Estamos neste momento a ultimar a construção do formulário para requerimento das entidades empregadoras, na plataforma online da Segurança Social Direta, para que possamos ter, tanto quando possível, todo o procedimento automatizado, a fim de podermos tratar com maior celeridade o conjunto de requerimentos que serão apresentados”, explicou o responsável, em declarações aos jornalistas.

Gabriel Bastos acrescentou ainda que a Segurança Social está a trabalhar para que os pagamentos às empresas que acedam a este novo regime comecem já a ser feitos a partir do mês de abril.

Tal como acontece no lay-off tradicional já previsto no Código do Trabalho, os trabalhadores das empresas que acedam a este regime recebem, no mínimo, dois terços da remuneração atual, sendo esse valor pago em 70% pela Segurança Social e 30% pelo empregador.

Num primeiro momento, é o empregador que tem, contudo, de assegurar o pagamento desses dois terços, reembolsando depois a Segurança Social os tais 70%. Aos jornalistas, Gabriel Bastos garantiu, no entanto, que de acordo com o planeamento do acordo esses pagamentos devem começar a ser feitos já a partir do mês de abril. O ministra da Economia frisou ainda o Executivo espera que no início do mês o sistema esteja preparado para reembolsar os patrões.

Podem aceder a este regime de lay-off criado para dar resposta à pandemia de coronavírus, as empresas em “crise empresarial” que se enquadre em um dos três seguintes cenários: paragem total resultante de rutura no abastecimento ou da suspensão ou cancelamento das encomendas; quebra “abrupta e acentuada” de, pelo menos, 40% da faturação nos 60 dias anteriores ao pedido face ao período homólogo (para quem tenha iniciado a atividade há menos de 12 meses, a referência é a média desse período); ou “o encerramento total ou parcial da empresa ou estabelecimento, decorrente do dever de encerramento de instalações e estabelecimentos” previsto nos decretos que executam a declaração de estado de emergência.

Esse último cenário não estava incluído na portaria original, mas foi acrescentado agora pelo Governo, conforme avançou o ECO.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lay-off simplificado. Segurança Social espera começar a reembolsar empresas a partir de abril

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião