Lay-off vai custar mil milhões de euros por mês, diz António Costa

"Pedidos de autorização para despedimentos coletivos é ainda um número muito limitado", revelou António Costa. "A pior coisa que pode acontecer é um aumento massivo do desemprego", disse.

António Costa revelou que, por mês o lay-off vai custar mil milhões de euros aos cofres do Estado, nomeadamente à Segurança Social. Neste novo regime, a que também podem aceder as empresas que foram obrigadas a fechar, aos trabalhadores é garantido o pagamento de, pelo menos, dois terços da sua remuneração, sendo tal valor pago em 70% pela Segurança Social e 30% pelo próprio empregador.

Em entrevista à TVI, o primeiro-ministro explicou que é “essencial recorrer a esta medida”, apesar do seu custo, porque o objetivo é salvar o maior número de postos de trabalho possível. “A pior coisa que pode acontecer é um aumento massivo do desemprego“, frisou.

António Costa admitiu que “há várias empresas que já estão a sinalizar o recurso a despedimentos”. “Pedidos de autorização para despedimentos coletivos é ainda um número muito limitado”, revelou o chefe do Executivo, lembrando contudo que “é fundamental que os empresário tenham a confiança necessária para perceberem que este não é o momento para fazerem despedimentos, mas antes pelo contrário, de se baterem pelas suas empresas e pelos seus trabalhadores”.

“Os trabalhadores também estão a fazer um esforço muito grande e um sacrifício grande porque para muitas pessoas, perder um terço do vencimento, significa um corte brutal na sua capacidade de solvabilidade. É por isso que os bancos têm de responder também com moratórias relativamente aos créditos e por isso é que o Estado decidiu tornar automáticas as renovações de todas as prestações sociais“, afirmou António Costa.

São já vários os bancos que já se mostraram disponíveis para avançar com uma moratória aos créditos para famílias e empresas. O pontapé de saída foi dado pela Caixa Geral de Depósitos ao anunciar uma moratória de seis meses para os créditos pessoais, da casa e também nos financiamentos concedidos às empresas. Depois foi o BPI e o Santander a anunciaram que também estão disponíveis, mas aguardam ainda as diretrizes das autoridades europeias, porque não querem que esta solução lhes seja penalizadora em termos de rácios de capital.

“Nestes três meses temos todos em conjunto fazer um esforço para sustentar empresas, emprego e rendimento de forma a que o país não afunde. O país não pode parar”, conclui.

(Notícia atualizada)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lay-off vai custar mil milhões de euros por mês, diz António Costa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião