Depois da Caixa e BPI, Santander também vai dar moratórias nos empréstimos às famílias e PME

Santander vai permitir que famílias com crédito à habitação ou consumo e também pequenas e médias empresas possam adiar por vários meses os reembolsos dos seus empréstimos junto do banco.

Também o Santander Portugal vai permitir que famílias e pequenas e médias empresas possam beneficiar de moratórias nos empréstimos contraídos junto do banco. “Situações excecionais exigem medidas excecionais”, refere a instituição liderada por Pedro Castro e Almeida, que se junta assim à Caixa Geral de Depósitos e ao BPI.

Foram várias as medidas que o Santander anunciou esta segunda-feira para ajudar os seus clientes a superarem a crise provocada pelo surto do coronavírus no país.

Em relação às moratórias de crédito, o banco diz apenas estar à espera que seja clarificado o enquadramento legal em Portugal, algo que o ministro das Finanças, Mário Centeno, revelou que estará pronto até final desta semana.

As 250 mil famílias portuguesas que têm o seu crédito à habitação junto do Santander poderão solicitar a renegociação do seu empréstimo com carência imediata de amortização de capital durante seis meses. Isto é válido para operações de crédito que se encontrem em situação regular. Assim, quem pretender adiar as prestações mensais poderá fazê-lo nos canais digitais do Santander — homebanking e app — “de uma forma simples e prática”, assegura o banco.

Com esta medida, o banco permite que as famílias portuguesas não amortizem neste período quase mil milhões de euros de capital“, adianta o Santander.

O banco diz ainda que esta possibilidade será estendida aos créditos ao consumo que não registem qualquer atraso até agora.

“Estas renegociações estarão isentas de comissões de alteração das características do crédito”, garante o Santander, adiantando que suspenderá igualmente a perda de bonificação de spread por clientes que venham a incumprir as condições de cross-selling que estão incluídas nos seus contratos.

Também as pequenas e médias empresas poderão beneficiar das novas medidas anunciadas pelo Santander, que se disponibiliza para renegociar “as características dos créditos que se encontrem em situação regular e cujos créditos estão em período de reembolso [que já tenham pago os juros inicialmente] que mais de 67 mil empresas têm junto do banco oferecendo uma carência de capital prazo de até 12 meses”.

Esta possibilidade poderá ser solicitada a partir de quinta-feira. Também nesta renegociação o Santander não fará qualquer alteração do spread das operações e não vai cobrar qualquer comissão de alteração do contrato.

O banco também vai manter todos os limites de crédito contratualizados quer com caráter revogável, quer com caráter irrevogável. As empresas poderão assim aceder “de forma simples e imediata” a cerca de quatro mil milhões de euros de crédito adicional “sem qualquer alteração das condições”.

Em relação às linhas de apoio anunciadas pelo Governo na semana passada, no valor de mais de 3.000 milhões de euros, o Santander está dinamizar estes apoios junto das empresas e diz-se preparado para disponibilizar o dinheiro logo que as instituições nacionais o permitam.

Se também for autorizado, o Santander “está disponível para proceder desde já a adiantamentos de 20% o montante aprovado pelo banco aos seus clientes ao abrigo destas linhas para que os seus clientes possam receber de imediato injeções de liquidez sem ter de esperar pela aprovação pelas entidades públicas”.

Isenção de mensalidade dos POS para comerciantes

O Santander já tinha anunciado algumas medidas na semana passada, como a suspensão da cobrança dos terminais de pagamento por cartão de débito ou créditoos chamados POS — junto dos comerciantes. Também isentará a aplicação de um valor mínimo sobre as transações efetuadas.

Para apoiar as transações sem contacto, o Santander também anunciou que vai suspender a cobrança de todas as comissões de serviço MBWay no POS. “Esta medida tem a duração de 30 dias e será reavaliada atempadamente”, diz o banco.

Por outro lado, o banco também está a disponibilizar serviço médico gratuito aos seus clientes.

(Notícia atualizada às 20h12)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois da Caixa e BPI, Santander também vai dar moratórias nos empréstimos às famílias e PME

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião