BPI disponível para conceder moratória de crédito a empresas e famílias

No caso dos particulares, a medida está condicionada às orientações das autoridades de supervisão. Envolve o crédito à habitação e o crédito pessoal, incluindo o financiamento automóvel.

O BPI anunciou que está “disponível para aceitar moratórias de crédito que permitam mitigar os impactos na economia das famílias e na atividade das empresas, de todos os setores de atividade”. As medidas serão aplicadas em articulação com as soluções que possam vir a ser estabelecidas pela União Europeia e pelo Estado Português.

No caso dos particulares, a medida está condicionada às orientações das autoridades de supervisão, ou seja, que os rácios de capital do banco não sejam afetados negativamente, por estas falhas de pagamento serem registadas como situações de incumprimento. Vai envolver o crédito à habitação e o crédito pessoal, incluindo o financiamento automóvel, explica o banco em comunicado. Vai consistir na “concessão de uma carência de capital, acompanhada de prorrogação do prazo da operação, até seis meses, para operações de crédito regulares que se encontrem em período de reembolso, ou iniciem esse período em 2020”.

Já para as empresas, a moratória prevista pelo banco “consistirá na concessão de uma carência de capital, acompanhada pela prorrogação do prazo da operação, até um ano, em operações de crédito regulares que se encontrem em período de reembolso, ou iniciem esse período em 2020″.

Em ambos os casos, a medida pode ser solicitada por clientes afetados pela crise da pandemia, sendo que está isenta de comissões de alteração ou prorrogação. O processo de adesão é em suporte digital.

O Governo tinha já anunciado que Portugal iria avançar com moratórias para o crédito, e que estava em negociações com o setor. Depois de este anúncio, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) foi primeiro banco a avançar com moratórias para o crédito perante a crise do coronavírus.

O banco de capitais públicos anunciou uma moratória de seis meses para os créditos pessoais, da casa e também nos financiamentos concedidos às empresas.

O BPI anunciou ainda, este domingo, que vai aumentar os montantes disponíveis de crédito pessoal pré-aprovado. Já para os clientes que vejam os seus salários afetados pela crise da COVID-19, o BPI vai “manter sem qualquer agravamento as condições dos seus pacotes básicos de serviços (Conta Valor) e do seu crédito habitação”. No caso do crédito habitação, “isto significa que as suas bonificações de spread não serão penalizadas”, explica o banco.

O banco liderado por Pablo Forero avançou também com a operacionalização da Linha Capitalizar 2018-COVID-19. “Com uma dotação global de 200 milhões de euros e o apoio do estado Português e das SGM, encontra-se já a ser dinamizada proativamente pelo BPI junto dos clientes mais afetados pelos efeitos económicos resultantes da pandemia”, indica o banco.

(Notícia atualizada às 12h30)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BPI disponível para conceder moratória de crédito a empresas e famílias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião