Vendas nos super e hipermercados subiram 65% de 9 a 15 de março

  • Lusa
  • 30 Março 2020

Estudo da Nielsen aponta para que um aumento de 65% em termos homólogos na semana em que os portugueses “começaram a preparar a despensa” face à pandemia.

As vendas nos super e hipermercados aumentaram 65% em termos homólogos no período de 9 a 15 de março, semana em que os portugueses “começaram a preparar a despensa” face à pandemia, segundo o barómetro da consultora Nielsen.

De acordo com a segunda edição do barómetro semanal da Nielsen sobre o impacto da pandemia de covid-19 no consumo, a evolução nesta semana ficou marcada pelo facto de ter sido neste período que a Organização Mundial de Saúde declarou a covid-19 como pandemia, tendo ainda sido anunciado o encerramento de todas as escolas e surgido o continente europeu como o epicentro do surto.

De 9 a 15 de março, o destaque nas vendas foi assim “para as categorias mais essenciais para enfrentar esta situação”: os produtos de higiene pessoal e do lar, cujas vendas aumentaram 95% face à semana homóloga, e os produtos alimentares, cujas vendas subiram 91%.

“Nos produtos de higiene pessoal e do lar, é o papel higiénico que regista o maior crescimento (acima dos 200%), mas lenços, rolos e guardanapos, produtos para roupa e loiça, limpeza do lar, higiene corporal, fraldas/toalhetes e cuidados de saúde também ultrapassam o dobro das vendas”, refere a Nielsen.

Já no que respeita à alimentação, “as conservas e produtos básicos mantêm-se no topo, com crescimentos acima dos 200%”, e os produtos instantâneos, alimentação infantil, congelados e azeite/óleos /condimentos e temperos “crescem também de forma muito acentuada, ultrapassando o dobro das vendas”.

De acordo com a consultora, a preocupação com a ‘preparação da despesa’ – a terceira de seis etapas identificadas pela Nielsen no comportamento do consumidor face à covid-19, depois da ‘compra proativa de saúde’ (primeira etapa) e da ‘gestão reativa da saúde’ (segunda etapa) – foi “transversal em todo o território nacional”, registando-se “fortes crescimentos” de 59% a 74% em todos os distritos.

Ainda assim, a Nielsen destaca os distritos de Bragança, com um aumento 74%, seguido de Santarém (+72%), Guarda (+70%), Setúbal (+67%), Lisboa e Leiria (ambos com +67%) e do Porto e Vila Real (ambos com +66%).

Segundo o barómetro, o crescimento das vendas verificado nesta semana “acontece em todas as tipologias de lojas”, com os hipermercados a registarem aumentos de 60%, os grandes supermercados a subirem 75% e os pequenos supermercados a crescerem 57%.

“Depois desta verdadeira corrida às lojas para prepararem a sua despensa, os portugueses passam para uma nova fase: a preparação para a vida em quarentena. Nessa nova etapa, a procura pelo ‘online’ começa a ser cada vez mais evidente e poder-se-ão notar algumas diferenças nas tipologias de loja escolhidas”, antecipa a consultora sénior da Nielsen Marta Teotónio Pereira.

Conforme acrescenta, “será também interessante verificar o impacto que o anúncio do fecho de estabelecimentos comerciais poderá ter no retalho alimentar e nas decisões de compra dos consumidores portugueses”.

O barómetro Nielsen covid-19 baseia-se nas vendas em valor, em termos homólogos, de uma amostra de lojas das insígnias Auchan, Continente, Dia/MiniPreço, El Corte Inglés, Intermarché, Mercadona, Pingo Doce em Portugal Continental.

A Nielsen Holdings é uma empresa global de gestão de medição e análise de dados que reúne os seus próprios dados com informação de outras fontes.

Um novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 667 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 31.000.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril. O decreto do governo do estado de emergência entrou em vigor às 00:00 do dia 21 de março.

O país regista 140 mortes associadas à covid-19 e 6.408 infetados, segundo o boletim epidemiológico de hoje da Direção-Geral da Saúde (DGS).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vendas nos super e hipermercados subiram 65% de 9 a 15 de março

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião