Torneio de Wimbledon é cancelado embora tenha seguro de pandemia

  • ECO Seguros
  • 1 Abril 2020

A decisão de cancelamento da edição anual do mais antigo torneio de ténis foi anunciada pela WTA e justificada pela pandemia do novo coronavírus.

A decisão conjunta da WTA e do ATP traduz o primeiro cancelamento do torneio desde a Segunda Guerra. A edição deste ano, agendada para decorrer de 29 de junho a 12 de julho, foi cancelada em conjunto com a temporada preliminar da modalidade.

De acordo com um comunicado da associação mundial da modalidade (WTA): “Esta não é uma decisão que a WTA e os nossos membros tomem com ânimo leve”. Embora “partilhando a deceção pelo adiamento da temporada, a nossa prioridade continua a ser apoiarmo-nos uns aos outros durante este tempo sem precedentes e trabalhar juntos como um desporto na preparação de voltarmos ao jogo”, afirma Steve Simon, presidente e CEO da WTA.

Ainda, de acordo com o comunicado, a suspensão entra em vigor para todos os níveis do ténis profissional, incluindo o ATP Challenger Tour, bem como o ITF World Tennis Tour, explica a WTA adiantando que a agenda para depois de 13 de julho permanece, por enquanto, sem alterações.

Depois da decisão sobre Wimbledon, a federação norte-americana da modalidade (USTA) anunciou que mantém em agenda a realização do US Open, calendarizado para o período entre 31 de agosto e o dia 13 do mês seguinte.

Organização de Wimbledon tem apólice contra pandemia

O All England Lawn Tennis Club, responsável pelo torneio de Wimbledon, é titular de uma apólice de seguro que cobre pandemias globais. A cobertura foi contratada há poucos anos e abrange o reembolso de bilhetes de acesso ao grand slam, noticiou o jornal britânico Times, antes do anúncio de cancelamento do evento.

O vice-presidente da Federação Alemã de Ténis, Dirk Hordorf, havia dito à Sky Sports alemã: “Wimbledon foi o único grand slam suficientemente clarividente para comprar um seguro contra uma pandemia mundial.”

As fontes não indicam o custo da cobertura contratada, mas adiantam que a adesão a um seguro contra pandemia “não é elevada”. Este tipo de cobertura tem sido atualidade noticiada desde os primeiros sinais de propagação da covid-19, pandemia global associada ao novo coronavírus.

Por causa da pandemia, os Jogos Olímpicos (Tóquio2020) e campeonatos de diversas modalidades têm vindo a ser cancelados por todo o mundo. No ténis, o Estoril Open, que deveria começar a 5 de abril e terminar em maio, também foi suspenso, segundo decisão recente da associação internacional.

Após análise cuidadosa e devido ao surto contínuo de Covid-19, todos os torneios do ATP e WTA não serão realizados conforme programado”. A decisão “inclui os torneios combinados ATP/WTA em Madrid e Roma, bem como os eventos WTA em Estrasburgo e Rabat e o ATP em Munique, Estoril, Genebra e Lyon”, já havia anunciado recentemente a entidade que tutela a modalidade. Faltava o veredicto para Wimbledon.

Por causa da pandemia do novo coronavírus, a Grã-Bretanha permanece sob confinamento obrigatório desde a semana passada, tendo sido proibidas reuniões públicas de mais de duas pessoas, permitindo-se que os residentes de Londres e outras circunscrições saiam de suas casas apenas para comprar o necessário, fazer exercícios e viajar para o trabalho.

A mortalidade pela doença no país ascende a mais de 2 300 falecidos até ao momento, com cifra diária do último balanço a superar 560 vítimas mortais em 24 horas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Torneio de Wimbledon é cancelado embora tenha seguro de pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião