Gestores em teletrabalho: Vendas de carros caíram 50%. “Estamos a preparar a saída da crise” 100% em teletrabalho, diz CEO da Renault Portugal

Pandemia "não podia deixar de ter impacto nas vendas" da Renault. Fabrice Crevola reconhece a crise, mas está focado no pós-crise, motivando a equipa e ajudando a rede de concessionários da marca.

O Covid-19 paralisou o país. Com o estado de emergência, grande parte das empresas fechou, sendo que milhões de portugueses estão confinados às suas habitações por forma a tentar travar a propagação do vírus. A Renault Portugal continua a trabalhar, mas “desde o dia 16 de março 100% dos colaboradores estão em regime de teletrabalho“, diz Fabrice Crevola em entrevista para a rubrica Gestores em teletrabalho, do ECO. E a preparar a saída de uma crise que, para já, cortou a metade as vendas.

“Os trabalhadores da Renault Portugal têm pleno conhecimento das suas funções e antes de 16 de março criámos as condições para que todos possam desempenhar, em teletrabalho, as suas funções”, conta o administrador-delegado da Renault Portugal. Todos, incluindo Fabrice Crevola, que tem sobre si a responsabilidade de conduzir a marca num contexto de forte crise, à distância. É que “o atual contexto não podia deixar de ter um impacto nas vendas”, diz.

“A obrigação de confinamento e as consequentes restrições à atividade da nossa rede comercial” levaram a uma quebra expressiva das vendas da marca líder no mercado nacional há mais de duas décadas. “Para o mês de março a quebra do mercado automóvel em Portugal, em comparação com o ano anterior, rondará com certeza os 50%. A diminuição nas vendas das marcas do grupo Renault terá uma dimensão semelhante”, alerta.

"Para os próximos meses, e sendo quase certo que as condições se irão manter, a quebra [nas vendas de automóveis no mercado nacional] terá certamente uma dimensão ainda superior [à de 50% registada em março].”

Fabrice Crevola

Administrador-delegado da Renault Portugal

Março, mês em que entraram em vigor as medidas do estado de emergência, foi um mês negro para as vendas de automóveis — também o será para a produção de veículos em Portugal –, mas os próximos tempos não serão melhores.

“Para os próximos meses, e sendo quase certo que as condições se irão manter, a quebra terá certamente uma dimensão ainda superior“, reconhece o gestor ao ECO.

Motivar equipas, apoiar a rede de concessionários

“Apesar do significativo abrandamento é importante manter a atividade em funcionamento”, diz Fabrice Crevola, afastando para já qualquer decisão relativamente à necessidade de a Renault Portugal recorrer ao lay-off como têm feito algumas empresas e, prevê-se, que muitas mais o façam — o Governo estima que um milhão de trabalhadores possam entrar neste regime durante a crise. “Não há nada decidido nesse sentido”, diz.

“É importante manter uma equipa motivada, uma organização capaz de responder às questões do quotidiano e a trabalhar, desde já, para o momento em que iremos sair desta crise sanitária”, atira o responsável. “É preciso gerir o presente e, talvez mais importante, preparar o momento da saída desta crise”, diz.

É preciso gerir o presente e, talvez mais importante, preparar o momento da saída desta crise.

Fabrice Crevola

Administrador-delegado da Renault Portugal

Neste sentido, além de procurar motivar os colaboradores para superar esta crise, Fabrice Crevola avançou com medidas no sentido de apoiar financeiramente a rede da marca, vital para regressar ao business as usual no pós-crise.

“Já tomámos, por exemplo, medidas muito concretas para assegurar a perenidade da nossa rede de distribuição (concessionários e agentes) num período em que a redução da atividade tem um grande impacto a nível da tesouraria“, conta ao ECO.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Gestores em teletrabalho: Vendas de carros caíram 50%. “Estamos a preparar a saída da crise” 100% em teletrabalho, diz CEO da Renault Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião